Moçambique

Autoridades encerram mesquitas com supostas ligações a ataques armados em Moçambique

As autoridades de Cabo Delgado estão a encerrar mesquitas da província que se supõe terem sido frequentadas por membros de um grupo armado que há um mês matou polícias e sitiou uma vila.

JAMAL NASRALLAH/EPA

As autoridades de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, estão a encerrar mesquitas da província que se supõe terem sido frequentadas por membros de um grupo armado que há um mês matou polícias e sitiou uma vila.

Foi uma medida tomada pelo Governo e que abrange apenas as mesquitas que tiveram algum contacto com o grupo de cidadãos envolvidos nos acontecimentos de Mocímboa da Praia”, anunciou Álvaro Gonçalves, diretor provincial de Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos, citado esta sexta-feira pelo jornal Notícias.

Segundo aquele responsável, foi já ordenado o encerramento de três locais de culto em Pemba, capital provincial, e a medida vai abranger outros na mesma cidade, bem como nos distritos de Chiúre, Montepuez, Macomia, Mocímboa da Praia, Palma e Nangade.

A ação está a ser levada a cabo com o acompanhamento de duas das congregações muçulmanas de Moçambique, o Conselho Islâmico e o Congresso Islâmico. Nassurulahe Dulá, líder do Congresso Islâmico em Pemba, refere que nos locais abrangidos era promovido o radicalismo islâmico.

Em entrevista à Lusa, em outubro, por altura dos ataques, o dirigente religioso referiu que há comunidades da província que estão a ser mobilizadas para se insurgirem contra as instituições do Estado e instituírem uma visão radical do Islão, que terá contribuído para as agressões.

No entanto, o historiador moçambicano Yussuf Adam, também numa entrevista à Lusa, queixou-se no início de novembro daquilo que classifica como falta de transparência no processo de investigação e detenções em curso.

Os ataques de dezenas de homens armados à polícia em Mocímboa da Praia fez com que todos os serviços estivessem encerrados durante dois dias, 5 e 6 de outubro, em que houve tiroteios esporádicos na vila entre o grupo e as autoridades.

Uma semana depois houve um novo confronto no mato, nos arredores de Mocímboa, em aldeias cuja população relata ter continuado a ouvir tiroteios, pelo menos, até à segunda quinzena de outubro. Dois polícias foram abatidos, outros quatro agentes de autoridade terão morrido numa emboscada e pelo menos 14 atacantes terão perdido a vida nos confrontos, de acordo com os últimos dados do Governo.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)