Sondagens

Partidos de Esquerda descem nas intenções de voto. Direita sobe

1.810

Os três partidos de Esquerda -- PS, BE e PCP -- desceram nas intenções de voto dos portugueses. Ao contrário de PSD e CDS, que subiram. Marcelo continua a conquistar popularidade.

Costa aparece em segundo lugar no ranking dos mais populares, com 32,3 pontos, mas é quem protagoniza uma das maiores quedas

JOSE SENA GOULAO/EPA

Autor
  • Marlene Carriço

Num período marcado por um surto de legionela que já provocou a morte de cinco pessoas; por greves na Saúde e na Educação; pelo avolumar de casos das cantinas escolares; pela discussão do Orçamento do Estado e por divergências com os professores em relação ao descongelamento das carreiras, a esquerda está a perder terreno nas intenções de voto dos portugueses, de acordo com o mais recente barómetro da Eurosondagem para o Expresso e a SIC.

Se as eleições fossem hoje, o Partido Socialista conquistaria 40% dos votos, menos um ponto percentual do que no mês anterior, o Bloco de Esquerda teria 8,7% dos votos, menos 0,3 pontos percentuais relativamente ao último barómetro e o PCP perderia 0,6 pontos percentuais, para os 6,9%. Em contracorrente, o PSD ganharia quatro décimas, alcançando 28,4% dos votos — ainda assim muito abaixo do PS — e o CDS conquistaria 0,6 pontos, para os 6,6%.

Também o PAN sobe nas intenções de voto: 0,3 pontos percentuais, para os 1,7%. Outros partidos, brancos e nulos também subiram 0,6 pontos para 7,7%.

Para confirmar estas descidas e subidas é necessário aguardar mais sondagens, até porque as variações estão abaixo do erro máximo da amostra que é de 3,08%, para um grau de probabilidade de 95%.

Marcelo soma e segue. Jerónimo e Costa são os líderes que mais perdem popularidade

Ao nível da popularidade dos líderes políticos, Marcelo Rebelo de Sousa não dá hipótese. O Presidente da República é o único a ganhar popularidade no último mês, conquistando 62,5 pontos, mais 0,5 do que na sondagem anterior.

Este último mês, ficou marcado pela presença do chefe de Estado junto das populações afetadas pelo fogo em vários pontos do país, pelo discurso duro e com várias mensagens a propósito dos incêndios, e, mais recentemente, Marcelo passou uma noite com os sem-abrigo em Lisboa.

António Costa aparece em segundo lugar no ranking dos mais populares, com 32,3 pontos, mas é quem protagoniza uma das maiores quedas: menos 2,1 pontos do que na sondagem anterior. Queda maior só mesmo Jerónimo de Sousa (-2,5 pontos) que conquista apenas 5,9 pontos no índice de popularidade.

Acima de Jerónimo ainda aparece a líder do CDS-PP, Assunção Cristas, com 6,7 pontos (-0,5 face ao barómetro anterior). Abaixo do líder do PCP, aparece Pedro Passos Coelho, com 2,9 pontos (-1,5 pontos do que no último mês). Em último, Catarina Martins com apenas 1,9 pontos, e uma quebra de 1,1 pontos.

O Governo fica-se apenas por 0,2 pontos, com uma quebra de 2,2 desde a última Eurosondagem; o Parlamento também perde 1,7 pontos, ficando-se nos 8,5 pontos. Juízes e Ministério Público são os menos populares, com – 16,1 e – 18,8 pontos, respetivamente.

Para esta sondagem foram entrevistadas 1.010 pessoas com 18 ou mais anos, entre 8 e 15 de novembro.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)