Angola

Jornal de Angola. Afastamento de Isabel dos Santos foi “medida de gestão, pura e dura”

129

No primeiro editorial após assumir a direção do jornal, Victor Silva recusa que haja um "braço de ferro" entre João Lourenço e Eduardo dos Santos. A filha do ex-presidente prejudicava a empresa, diz.

PEDRO PARENTE/LUSA

O novo diretor do Jornal de Angola, órgão de comunicação social do poder angolano, recusa que haja um conflito entre o Presidente da República do país, João Lourenço, e o seu antecessor e ainda presidente do MPLA, José Eduardo dos Santos. Num editorial em que se refere ao “novo ciclo político” em Luanda, Víctor Silva explica que o afastamento de Isabel dos Santos da presidência da petrolífera Sonangol foi uma “medida de gestão, pura e dura”, que pretendeu salvar a empresa estatal.

A imagem de Isabel dos Santos estava a sufocar a petrolífera, considera o novo diretor do jornal. A questão do afastamento da empresária dos comandos da empresa “não deve ser posta no facto de Isabel dos Santos ser filha do ex-Presidente da República”, defende Victor Silva, que acrescenta:

Se calhar, ou talvez por isso mesmo, a petrolífera nacional não conseguia os financiamentos externos necessários ao seu desenvolvimento por saber-se que no combate ao branqueamento de capitais há pessoas politicamente expostas, as chamadas PEP, que estão sob o radar do mundo financeiro mundial”, diz o diretor do Jornal de Angola.

Quanto mais não seja — a formulação do diretor do jornal é dúbia quanto ao alcance do juízo que faz sobre Isabel dos Santos –, a figura da filha de “Zédu” à frente da “galinha dos ovos de ouro” angolana estava a impedir a entrada de dinheiro fresco. Não se nega à empresária, contudo, o “mérito” de ter conseguido “baixar os custos de produção” e de “outras ações”. Mas questiona-se o “preço” a pagar por esses resultados e aponta-se a “falta de diálogo e o excesso de burocracia” como dois dos principais fatores a ameaçar a “saúde” da estatal.

Não há ali, garante o editorial — um espaço visto como uma câmara de ressonância do pensamento da presidência do país — qualquer questão pessoal entre João Lourenço e José Eduardo dos Santos. “Algumas forças, apanhadas sem argumentação, procuram agora atirar para um alegado conflito político entre o Presidente da República e o líder do MPLA, fomentando um forçado braço de ferro e pseudo divisões no partido no poder”, sublinha o diretor do jornal.

A saída de dos Santos da direção da Sonangol foi a marca mais impressiva do “novo ciclo” que o poder político personificado por João Lourenço quer estabelecer no país. Houve mexidas no setor financeiro, na banca, no negócio dos diamantes. São mudanças concretizadas, “a que seguirão, não se tenha dúvidas, outras mais”, garante o diretor do Jornal de Angola.

Com que impacto — isto é, até que ponto representam uma nova filosofia na gestão dos interesses do país, menos ligados a interesses pessoais da cúpula política e militar — ainda está por clarificar. Para já, Victor Silva diz que estas mudanças “não devem ser vistas como mera substituição de figuras ou nomes, um mau hábito cultivado com a funalização dos nossos assuntos”. Serão parte do tal “novo ciclo”, promessa da campanha eleitoral, que se baseia na “moralização da sociedade através do combate à corrupção, do fim da impunidade e da abertura de oportunidades iguais para todos”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A hipocrisia da política de sanções /premium

José Milhazes

A Europa perdoou à Rússia a agressão à Ucrânia, a invasão da Geórgia em 2018 e dá mais uma prova de “misericórdia” em 2019. A que se deverá este acto que traz à memória o famigerado Acordo de Munique?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)