União Europeia

Câmara do Porto sempre soube que conseguir sede da EMA era “batalha muito difícil”

Rui Moreira assinalou que a cidade entrou "na corrida" para acolher a sede da Agência Europeia do Medicamento para ganhar, mas sempre soube que era uma "batalha muito difícil".

FERNANDO VELUDO/LUSA

O presidente da Câmara do Porto, o independente Rui Moreira, assinalou esta segunda-feira que a cidade entrou “na corrida” para acolher a sede da Agência Europeia do Medicamento para ganhar, mas sempre soube que era uma “batalha muito difícil”.

“Queríamos ganhar e entramos nesta corrida para ganhar. Mas sempre percebemos que a batalha era muito difícil. Apesar de geograficamente periférico, o país mostrou que tinha capacidade e que cumpria todos os critérios e que o Porto podia receber uma agência desta natureza e dimensão”, afirma o autarca, citado num comunicado enviado pela câmara.

A mobilização nacional pela candidatura à EMA marcou um ciclo “sem precedente”, em que o Governo, o corpo diplomático, o setor da saúde e do turismo, a Câmara Municipal do Porto e a sociedade civil se uniram em torno de uma candidatura que afirmou o Porto como uma cidade “ímpar” no contexto europeu, sustenta.

“A convergência entre todas as forças políticas da cidade e a articulação com o Governo que foi incansável na promoção da candidatura de Portugal. Creio que tudo foi feito para ganharmos e que o país saiu valorizado deste processo”, realça o autarca.

Felicitando Amesterdão pela vitória, a Câmara do Porto lembra que ficou à frente de cidades como Bruxelas (Bélgica) e Lille (França), terminando em sétimo lugar entre as 19 candidaturas apresentadas pelos 27 estados-membros.

“O facto de o Porto se ter posicionado entre as cidades favoritas para acolher uma das maiores agências europeias fez com que a cidade atingisse níveis de notoriedade, prestígio e reconhecimento nunca antes alcançados. Agora estamos ainda mais na mira dos investidores internacionais, para além de sermos um polo turístico de grande importância, hoje somos uma cidade para investir e para viver como há poucas na Europa”, frisa Rui Moreira.

Num primeiro comunicado, ainda antes de a votação ter terminado, a Câmara do Porto felicitou Milão pela vitória, sendo Amesterdão (Holanda) a vencedora, e referiu que o Porto ficou à frente de Roma, não tendo esta cidade italiana sido candidata.

A cidade holandesa de Amesterdão vai acolher a futura sede da Agência Europeia do Medicamento (EMA), ao bater Milão (Itália) por sorteio, após um empate na terceira volta da votação realizada hoje em Bruxelas.

Numa “corrida” na qual participava a cidade do Porto – que foi afastada na primeira volta, ao ser a sétima cidade mais votada -, Milão foi a cidade a reunir mais votos nas duas primeiras voltas, mas na terceira e última ficou empatada com Amesterdão (13 votos cada, já que um dos 27 Estados-membros teve voto nulo), havendo então necessidade de recorrer a um sorteio, tal como previam as regras, e a sorte sorriu à cidade holandesa, indicaram fontes europeias.

A EMA, cuja localização em Londres terá de mudar devido à saída do Reino Unido da UE, conta atualmente com 890 trabalhadores e recebe cerca de 35 mil representantes da indústria por ano.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)