Orçamento do Estado

Forum para a Competitividade debate o Orçamento do Estado para 2018

Eduardo Catroga, ex-ministro das Finanças, é um dos oradores do evento e analisará as finanças públicas e o crescimento da economia portuguesa. Seminário decorre a 22 de novembro.

António Costa e Mário Centeno. O Orçamento do Estado de que são responsáveis vai estar em debate no Forum para a Competitividade

TIAGO PETINGA/EPA

O Forum para a Competitividade realiza, a 22 de novembro, um seminário destinado à análise do Orçamento do Estado para 2018. Pedro Braz Teixeira, economista responsável pelo gabinete de estudos do Forum, abordará o tema do crescimento económico, enquanto Joaquim Miranda Sarmento, professor no ISEG, fará uma intervenção sobre aspetos estruturais do Orçamento e a respetiva evolução.

O programa do evento, intitulado “O Orçamento do Estado 2018, Como se enquadra numa estratégia de crescimento a médio prazo” e que vai ter lugar no auditório da AESE Business School, em Lisboa, prevê, também, a participação de Mário Lopes, professor no Instituto Superior Técnico, que falará sobre investimentos prioritários nas infraestruturas, bem como a intervenção de Maria Antónia Torres, partner da PwC, que analisará as medidas fiscais previstas no Orçamento do próximo ano e as consequências para o investimento empresarial.

Um painel moderado pela jornalista Helena Garrido e em que participarão Ângelo Ramalho, líder executivo da Efacec, João Almeida Lopes, empresário e presidente do Conselho Estratégico Nacional da Saúde da CIP, e João Miranda, presidente da Frulact, fará a análise das intervenções previstas no programa do seminário. José Ramalho Fontes, presidente da AESE, fará uma intervenção inicial e o encerramento estará a cargo de Eduardo Catroga, ex-ministro das Finanças, e de Pedro Ferraz da Costa, presidente do Forum para a Competitividade.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crescimento Económico

O país ancorado a 36% /premium

Luís Aguiar-Conraria

A região que se esperaria que fosse o motor do país, a Área Metropolitana de Lisboa, serviu como uma âncora, puxando o país para baixo. E pesando de 36% no PIB nacional, é uma âncora demasiado pesada.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)