LiAngelo Ball, Cody Riley e Jalen Hill estavam presos em Hangzhou, no leste da China, desde o início de novembro, sendo acusados pela justiça chinesa de roubo. Todos norte-americanos, Ball, Riley e Hill são jogadores de basquetebol na Universidade da Califórnia [UCLA] e estavam na China para disputar uma partida em Xangai.

Donald Trump, aquando da sua recente visita de Estado à Ásia, conversou com o Presidente chinês, Xi Jinping, tendo solicitado a libertação dos três jogadores. LiAngelo Ball, Cody Riley e Jalen Hill regressaram a Los Angeles na quarta-feira. E o Presidente norte-americano descreveu a pronta (e afirmativa) resposta de Xi Jinping ao seu pedido como “sensacional”. Os jogadores (entretanto suspensos por tempo indeterminado da equipa de basquetebol da UCLA] agradeceram-lhe publicamente e desculparam-se pelo incidente.

No entanto, nem todos concordam que a libertação esteja diretamente relacionada com a visita de Trump à China. LaVar Ball, pai de LiAngelo, explicou à ESPN que na China “às vezes tentam fazer uma grande coisa do nada”. Apesar de estar “feliz com a forma como as coisas foram tratadas”, LaVar Ball explicou que — e referindo-se a Trump — “há pessoas gostam de dizer muitas coisas” e “toda a gente quer fazer parecer que ele [Trump] ajudou”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A reação do “inquilino” da Casa Branca não tardaria. Este domingo, via Twitter, Trump escreveu que, após as declarações do pai de LiAngelo Ball, se sentiu tentado a deixar os atletas na prisão. “Agora que estão fora da China e salvos de anos na prisão, LaVar Ball, o pai de LiAngelo, não aceita o que fiz pelo seu filho e diz que roubar em lojas não é grande coisa. Devia tê-los deixado na prisão!”, lê-se na publicação de Trump no Twitter.

Numa segunda publicação, também este domingo, Trump acusou LaVar Ball de “ingratidão” e lembrou que a condenação por roubo na China pode resultar numa pena de prisão entre cinco a dez anos.