Fabricante norte-americano de superdesportivos cuja produção nunca ultrapassou a mão cheia de unidades, a Scuderia Cameron Glickenhaus pretende entrar numa nova fase da sua existência. Já com todas as autorizações para produzir na terra-natal, os EUA, a marca fundada por James Glickenhaus anuncia agora o seu primeiro modelo “de volume”; ou melhor, com uma produção prevista de 250 unidades. É que a exclusividade a isso obriga…

Denominado SCG 004S, o novo modelo, que deverá ser homologado para utilização em estrada, possui um chassi e carroçaria fabricados em fibra de carbono, para manter o peso total abaixo dos 1.200 kg. Isto, ao mesmo tempo que monta um V8 5,0 litros twin-turbo a gasolina, a debitar 659 cv e 720 Nm de binário, com o red-line a surgir às 8.200 rpm. A acompanhar, o fabricante propõe de série uma caixa manual de seis velocidades, a qual pode ser substituída por uma opcional transmissão automática, com patilhas no volante.

E se o design exterior causa impacto, o mesmo acontece no interior deste SGC 004S, onde o condutor surge sentado em posição central, com os “penduras” colocados de cada um dos lados, um pouco à imagem do McLaren F1. Opção a que se junta um tablier inesperadamente simples e repleto de mostradores analógicos, por detrás de um volante também ele a fazer lembrar tempos passados.

Apesar de ser apresentado como o modelo de volume e mais acessível do fabricante norte-americano, o SGC 004S não deverá deixar de contar com uma versão de pista, um GT3 ou GTE/GTLM. Até porque, fruto dos regulamentos aplicados pela autoridade rodoviária norte-americana (NHTSA) aos chamados Construtores de Baixos Volumes, a Scuderia Cameron Glickenhaus está autorizada a fabricar um total de 325 unidades, sem ter de se preocupar com aspectos relacionados com emissões ou segurança, aplicáveis aos grandes construtores.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O 004S será introduzido no mercado com uma “Founders Edition”, edição especial de lançamento limitada a 25 unidades, cuja entrega dos primeiros exemplares deverá ter lugar em 2018 ou, o mais tardar, em 2019. A que seguirá a entrada da produção em velocidade de cruzeiro, lá para 2020 ou 2021.

Finalmente e quanto a preços, deverão começar nos 339 mil euros. Sendo que, para garantirem uma unidade, os futuros proprietários terão de fazer um depósito de 10% do valor final do desportivo – coisas de marca pequena e exclusiva…