Banco de Portugal

Banco de Portugal: remessas dos imigrantes caem 16,3% em setembro para 39,7 milhões de euros

O Banco de Portugal anunciou que as remessas dos estrangeiros a trabalhar em Portugal caíram 16,3% em setembro. Em sentido contrário, as remessas dos emigrantes subiram 0,2%.

ENNIO LEANZA/EPA

As remessas dos emigrantes subiram 0,2%, para 285,5 milhões de euros em setembro, enquanto as verbas enviadas pelos estrangeiros a trabalhar em Portugal caíram 16,3%, para 39,7 milhões de euros.

De acordo com os dados do Banco de Portugal, publicados esta terça-feira no site do supervisor financeiro, os emigrantes enviaram 285,5 milhões de euros em setembro, o que representa um pequeno acréscimo de 0,2% face aos 284,8 milhões enviados em setembro do ano passado.

Em sentido contrário, os estrangeiros a trabalhar em Portugal enviaram para os seus países de origem 39,7 milhões de euros, o que equivale a um decréscimo de 16,3% face aos 47,5 milhões de euros enviados no período homólogo do ano passado.

Entre as maiores subidas percentuais está o volume de verbas enviado pelos emigrantes no Reino Unido, que transferiram para Portugal 34 milhões de euros, o que representa uma subida de 61,2% face aos 21,09 milhões enviados em setembro do ano passado.

Como habitualmente, os emigrantes em França, com 98,4 milhões, e na Suíça, com 52,2 milhões, representam os países de onde vieram mais verbas para Portugal.

Os emigrantes nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) enviaram 19,13 milhões de euros em setembro, o que representa uma ligeira descida de 2,05% face aos 19,53 milhões enviados no período homólogo do ano passado.

Angola, como é tradicional, representa a grande maioria desta verba e define a tendência: os emigrantes nesse país enviaram para Portugal 18,36 milhões de euros, uma descida de 0,1% face aos 18,38 milhões enviados em setembro do ano passado.

Em sentido inverso, os imigrantes dos PALOP em Portugal enviaram para os seus países de origem 3,16 milhões de euros, menos 7,33% que em setembro do ano passado, quando enviaram 3,41 milhões.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)