Aquecimento Global

Como as cidades vão ficar se o planeta aquecer apenas 2ºC

3.711

A Ponte Westminster ficaria inundada, a baixa de San Francisco desapareceria e o Pentágono reduzia-se a uma ilha. 2ºC são os suficientes para ficarmos como nestas 42 fotos.

De nada nos servirá o Acordo de Paris se os níveis de emissões de dióxido de carbono continuarem ao ritmo em que estão atualmente, poluindo a atmosfera com gases com efeito de estufa, avisam os cientistas. Muito em breve mais de 275 milhões de pessoas terão de sair das casas que construíram em cidades costeiras para dar lugar ao avanço devastador da água dos oceanos. Os efeitos vão sentir-se na pele de quem mora em regiões urbanas próximas ao mar, o que corresponde a metade da população mundial. Um aumento da temperatura média global de apenas 1,5ºC é o suficiente para fazer desaparecer grandes zonas das cidades como Sidney, Londres ou Nova Iorque. E quase toda a costa portuguesa estaria em perigo.

Este cenário é real e o novo projeto da Climate Central, uma organização científica que se juntou ao The Guardian e ao artista visual Nickolay Lamm, provam-no. O projeto surgiu para descobrir como seriam 21 cidades do mundo caso o aquecimento global fosse de entre 2ºC e 4ºC em relação à temperatura atual do planeta, fazendo aumentar o nível da água do mar. As imagens criadas podem ser a realidade que teremos dentro de apenas 13 anos, em 2030, alerta a Climate Central: é que julga-se que, por essa altura, o número das inundações devastadoras já tenha mais do que duplicado. E isso é mesmo muito: desde 1880 até agora, o nível médio da água do mar já aumentou quase 20 centímetros. E a situação só tende a piorar.

O que a Climate Central fez foi juntar duas fotografias de cidades icónicas como Xangai, Bombaim ou Rio de Janeiro para mostrar aquilo que estamos a enfrentar. Num primeiro álbum, a organização comparou o estado atual dessas cidades com o estado em que ficariam se o aquecimento global fosse de 2ºC em relação à temperatura registada agora. Num segundo álbum, comparou-se o cenário das cidades perante um aquecimento global de 2ºC com o estado das mesmas cidades se esse aquecimento fosse de 4ºC. De acordo com as explicações de Benjamin Strauss, líder do projeto, a meta dos 2ºC foi escolhida porque, segundo os cientistas, esse é “o limite máximo para que o aquecimento global não cause alterações catastróficas”.

A Climate Central prepara-se para disponibilizar mais imagens de cidades costeiras (para já, nenhuma cidade portuguesa faz parte dos exemplos deste projeto) que vão sofrer com o aumento do nível médio da água do mar. Veja na fotogaleria o antes e o depois das imagens disponíveis e aproveite a aplicação interativa aqui em baixo para ver como ambos os cenários se comparam.

Mar-a-Lago

Estados Unidos

Nova Iorque

Estados Unidos

Miami

Estados Unidos

Pentágono

Washington D.C., Estados Unidos

GooglePlex

Mountain View, Estados Unidos

Durban

África do Sul

Londres

Inglaterra

Xangai

China

Bombaim

Índia

Sidney

Austrália

Rio de Janeiro

Brasil

Venice Beach

Venice, Estados Unidos

AT & T Park

San Francisco, Estados Unidos

Boston

Estados Unidos

Ocean Drive

Miami, Estados Unidos

Charleston

Estados Unidos

San Diego

Estados Unidos

Estátua da Liberdade

Nova Iorque, Estados Unidos

Monumento a Washington

Washington D.C., Estados Unidos

San Francisco

Estados Unidos

Harvard

Cambridge, Estados Unidos

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Crónica

Os meninos à roda da propaganda /premium

Helena Matos
2.321

O menino que em 2012 chorava porque a mãe não tinha dinheiro para comprar bolachas agora quer salvar o planeta. O que mudou? A cor política do Governo. As bolachas essas continuam iguais. 

Medicina

João Lobo Antunes /premium

Maria João Avillez

Porque é que aquele rapaz tão bonito, de olhar azul claro, um companheiro de trabalho tão curioso e atento aos outros, parecia por vezes taciturno e quase triste? “Estudava muito” dizia-se por lá.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)