iPhone

Fábrica do iPhone X da Apple recorre a estágios curriculares ilegais para cumprir metas

102

Estudantes afirmam que foram obrigados a trabalhar desde setembro na fábrica que faz os iPhone X para concluírem os estudos de ensino secundário. Os estágios obrigam a cumprir turnos de 11 horas.

No passado a Apple já foi acusada de explorar trabalhadores para fabricar os iPhone a tempo

MONICA DAVEY/EPA

A fábrica de Zhengzhou, China, da Foxconn, empresa que fabrica os iPhone X para a Apple, tem estudantes a fazer turnos de 11 horas diárias. Os jovens, de 17 e 19 anos, foram obrigados pela escola a trabalhar na fábrica por ser considerado “experiência de trabalho necessária” para poderem concluir os estudos de ensino secundário. Segundo noticia o Financial Times esta terça-feira, as duas empresas assumem os factos, mas afirmam que os estudantes estavam a trabalhar voluntariamente.

Ao todo foram três mil os estudantes envolvidos. Um dos seis estudantes que falou ao mesmo jornal afirma: “Nós estamos a ser obrigado pela nossa escola a trabalhar aqui [fábrica de Zhengzhou]”. Identificada apenas pelo apelido Yang para evitar represálias, a estudante diz que monta 1200 câmaras do iPhone X por dia. “O trabalho não tem nada a ver com os nossos estudos”, assume.

O trabalho não tem nada a ver com os nossos estudos”, assume Yang, uma estudante de 18 anos.,

Na China, as horas extraordinárias para estágios curriculares são ilegais, não sendo permitidas mais que 40 horas semanais. A Foxconn diz que “todo o trabalho foi voluntário e recompensado adequadamente”. Um funcionário da fábrica afirma que durante agosto e dezembro são contratados milhares de trabalhadores sazonais, período que coincide com o lançamento dos novos iPhone. Para produzir cerca de 20 mil iPhones por dia, a fábrica de Zhengzhou chega a triplicar o número de trabalhadores nesta época de 100 mil para 300 mil funcionários.

A Foxconn afirma que o programa de estágio curricular foi criado em conjunto com “as autoridades locais e escolas chinesas”. Segundo um habitante de Henan — província chinesa que tem como capital Zhengzhou –, o departamento de educação da região enviou um comunicado às escolas para reencaminharem os estudantes que precisassem de estágio curricular para concluir os estudos para a fábrica da Foxconn. Além de Zhengzhou, os estudantes eram provenientes de outras cidades da província chinesa, como Kaifeng, Nanyangm e Xinxiang.

O iPhone X foi lançado em novembro – e não em setembro como os outros produtos da Apple – por problemas de produção. O atraso levou a uma quebra de 39% do valor das ações da Foxconn.

Uma das condições que o governo de Henan oferece à Foxconn para se manter na região é garantir mão-de-obra através de estágios curriculares de curta duração. Um responsável local afirma: “o governo de Henan faz tudo para garantir que a Foxconn prospera na região. Não é só pela receita fiscal, é para desenvolvimento industrial, para aumentar as exportações, para ter uma parceria com o estrangeiro [com a Apple]”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)