iPhone

Fábrica do iPhone X da Apple recorre a estágios curriculares ilegais para cumprir metas

102

Estudantes afirmam que foram obrigados a trabalhar desde setembro na fábrica que faz os iPhone X para concluírem os estudos de ensino secundário. Os estágios obrigam a cumprir turnos de 11 horas.

No passado a Apple já foi acusada de explorar trabalhadores para fabricar os iPhone a tempo

MONICA DAVEY/EPA

A fábrica de Zhengzhou, China, da Foxconn, empresa que fabrica os iPhone X para a Apple, tem estudantes a fazer turnos de 11 horas diárias. Os jovens, de 17 e 19 anos, foram obrigados pela escola a trabalhar na fábrica por ser considerado “experiência de trabalho necessária” para poderem concluir os estudos de ensino secundário. Segundo noticia o Financial Times esta terça-feira, as duas empresas assumem os factos, mas afirmam que os estudantes estavam a trabalhar voluntariamente.

Ao todo foram três mil os estudantes envolvidos. Um dos seis estudantes que falou ao mesmo jornal afirma: “Nós estamos a ser obrigado pela nossa escola a trabalhar aqui [fábrica de Zhengzhou]”. Identificada apenas pelo apelido Yang para evitar represálias, a estudante diz que monta 1200 câmaras do iPhone X por dia. “O trabalho não tem nada a ver com os nossos estudos”, assume.

O trabalho não tem nada a ver com os nossos estudos”, assume Yang, uma estudante de 18 anos.,

Na China, as horas extraordinárias para estágios curriculares são ilegais, não sendo permitidas mais que 40 horas semanais. A Foxconn diz que “todo o trabalho foi voluntário e recompensado adequadamente”. Um funcionário da fábrica afirma que durante agosto e dezembro são contratados milhares de trabalhadores sazonais, período que coincide com o lançamento dos novos iPhone. Para produzir cerca de 20 mil iPhones por dia, a fábrica de Zhengzhou chega a triplicar o número de trabalhadores nesta época de 100 mil para 300 mil funcionários.

A Foxconn afirma que o programa de estágio curricular foi criado em conjunto com “as autoridades locais e escolas chinesas”. Segundo um habitante de Henan — província chinesa que tem como capital Zhengzhou –, o departamento de educação da região enviou um comunicado às escolas para reencaminharem os estudantes que precisassem de estágio curricular para concluir os estudos para a fábrica da Foxconn. Além de Zhengzhou, os estudantes eram provenientes de outras cidades da província chinesa, como Kaifeng, Nanyangm e Xinxiang.

O iPhone X foi lançado em novembro – e não em setembro como os outros produtos da Apple – por problemas de produção. O atraso levou a uma quebra de 39% do valor das ações da Foxconn.

Uma das condições que o governo de Henan oferece à Foxconn para se manter na região é garantir mão-de-obra através de estágios curriculares de curta duração. Um responsável local afirma: “o governo de Henan faz tudo para garantir que a Foxconn prospera na região. Não é só pela receita fiscal, é para desenvolvimento industrial, para aumentar as exportações, para ter uma parceria com o estrangeiro [com a Apple]”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Inovação

#PortugalMaisDigital!

Rogério Campos Henriques

É importante existir um movimento que incentive a utilização dos recursos digitais existentes na sociedade por todos os cidadãos, de forma consciente e informada. E este é o grande propósito do MUDA.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)