O presidente do segundo partido timorense, Xanana Gusmão, anunciou esta terça-feira um acordo com os líderes das restantes forças da oposição para uma Aliança de Maioria Parlamentar (AMP) que está “preparada para servir o país”.

“Depois de diálogo com os dirigentes do PLP e do KHUNTO sobre a situação política sentimos a grande obrigação de responder ao interesse da nação. Hoje fazemos um acordo político entre os três partidos”, disse Xanana Gusmão, numa mensagem divulgada na página do seu partido, o Congresso Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT), no Facebook.

“Dirigindo-nos com todo o respeito ao Presidente da República, saudando todas as instituições do Estado, afirmamos que os três unidos na Aliança de Maioria Parlamentar (AMP) estamos prontos para responder à situação difícil do país”, disse na mensagem.

Xanana Gusmão falava em Singapura ladeado pelos líderes dos outros dois partidos da oposição, Taur Matan Ruak, presidente do Partido Libertação Popular (PLP) e José dos Santos Naimori, líder do Kmanek Haburas Unidade Nacional Timor Oan (KHUNTO).

Tratou-se do primeiro encontro com registo de imagens dos líderes dos três partidos que estão aliados e que querem ser alternativa de Governo e a primeira declaração pública alargada de Xanana Gusmão sobre a situação política desde que saiu de Timor-Leste, no passado dia 11 de setembro.

“Nós, líderes dos partidos, estamos prontos para lidar com a situação difícil. Nós, os líderes dos partidos políticos sentimos grande responsabilidade de nos preparar para resolver a situação e esta crise política, a bem do povo”, afirmou Xanana Gusmão.

“A competência para resolver esta situação está com o Presidente da República, doutor Francisco Guterres Lu-Olo. Eu espero que se cumpra a Constituição e daremos todo o apoio para que se cumpra a Constituição, que é o garante do Estado e da nação”, disse.

Na intervenção, Xanana Gusmão dirigiu-se “a todo o povo de Timor-Leste” e em particular aos militantes dos três partidos numa mensagem “de confiança”.

“O Presidente da República disse que sente orgulho pelos aspetos positivos da situação, pelo facto de a sociedade começar a discutir Constituição, começar a compreender o processo de construção do Estado. Concordamos os três com a afirmação do PR. A situação faz parte do processo de construção do Estado e de construção da nação”, disse.

Afirmando que o povo timorense “não se deve preocupar” com a situação e agradecendo a “grande maturidade política” que tem mostrado, Xanana Gusmão disse que os líderes políticos estão “empenhados em resolver a situação”, referindo-se ainda a comentários sobre a polémica coligação CNRT-PLP.

“Tem havido muita especulação sobre os três partidos. Hoje nós os três comprometemo-nos perante todo o povo. Assumiremos a responsabilidade perante todos, a responsabilidade e o dever de servir. Esse é o nosso compromisso perante todo o povo, perante os companheiros do KHUNTO, PLP e CNRT”, disse.

O anúncio da coligação de oposição causou surpresa pelo facto de Xanana Gusmão ter repetidamente garantido que o partido não faria parte de qualquer coligação de Governo, e pela tensão que marcou a relação entre Xanana Gusmão e Taur Matan Ruak, depois de este ter comparado o líder histórico ao ditador indonésio Suharto.

Depois desse discurso, Xanana Gusmão chegou mesmo a devolver ao chefe de Estado uma medalha que lhe foi concedida por serviços à nação.

“Há quem diga que depois da tensão entre o Xanana e o Taur há agora um acordo. Todos somos humanos e é normal. Quando o interesse nacional nos move aos dois, e apesar das diferenças, pequenas, entre os dois, temos que ter coragem e manter o compromisso”, afirmou esta terça-feira.

“O bloco tem que se preparar para responder à situação que enfrentamos. Estamos prontos. A AMP está pronta. Não obrigamos o PR a nada, a violar a Constituição. Mas este é um grande compromisso: se a AMP tiver a confiança política, assumiremos a responsabilidade de servir a nação, servir o povo e lutar pelo bem-estar do Estado”, garantiu.

A declaração feita num encontro no fim de semana em Singapura foi divulgada 24 horas depois de a oposição ter apresentado uma moção de censura ao Governo.

O Governo minoritário é apoiado pelos 23 deputados da Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin) e pelos sete do Partido Democrático (PD) e viu, no passado dia 19, o seu programa chumbado por uma moção de rejeição.

Se a moção de censura for aprovada, o Governo é demitido e o Presidente da República, Francisco Guterres Lu-Olo, tem que escolher entre uma nova solução governativa no atual cenário parlamentar ou convocar eleições antecipadas.