Arqueologia

Congresso dos Arqueólogos demonstra a vitalidade do setor

559

O II Congresso da Associação de Arqueólogos Portugueses (AAP) vem demonstrar que "a comunidade arqueológica está viva, apesar dos constrangimentos institucionais".

Cerca de 400 arqueólogos vão fazer comunicações durante o Congresso.

PEDRO SARMENTO COSTA/LUSA

O II Congresso da Associação de Arqueólogos Portugueses (AAP), que se realiza entre esta terça-feira e domingo, demonstra que “a comunidade arqueológica está viva, apesar dos constrangimentos institucionais”, disse à agência Lusa o seu presidente.

Apesar dos constrangimentos institucionais, os arqueólogos continuam a defender o património arqueológico, a fazer intervenções, sobretudo relacionadas com grandes obras públicas e privadas, mas também a produzir resultados de investigação científica”, disse à Lusa José Morais Arnaud, presidente da AAP.

Este é o segundo congresso da AAP, e realiza-se em três espaços da capital: no Museu Arqueológico do Carmo, e nas faculdades de Letras da Universidade de Lisboa e de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova.

O congresso termina com um passeio, no domingo, intitulado “Entre o Ribatejo e a Estremadura. Povoados fortificados pré-históricos… sem esquecer o antes e o depois”, incluindo visitas ao Povoado de Vila Nova de S. Pedro, em Azambuja, ao Convento da Senhora das Neves e à Fábrica do Gelo, no Alto de Montejunto, ao Castro de Pragança, ao Museu do Bombarral, ao Castro do Zambujal e ao Castro e Grutas da Columbeira do Alto do Picoto.

Durante o congresso serão apresentadas 150 comunicações, por cerca de 400 arqueólogos, disse Morais Arnaud à Lusa. O presidente AAP afirmou que “a comunidade arqueológica continua bastante ativa, apesar de haver um enfraquecimento das estruturas por parte da tutela”, o Ministério da Cultura.

O responsável lamentou “todos os constrangimentos financeiros e problemas de enquadramento institucional do setor da arqueologia”.

Um enquadramento “que está reduzido à expressão mais simples, mesmo ao mínimo dos mínimos, depois de ter tido um Instituto de Arqueologia com várias valências e vários serviços, agora praticamente, tudo isto está integrado numa divisão, que nem sequer é específica para a arqueologia, dentro de uma direção-geral muito mais abrangente”.

Apesar deste “enfraquecimento”, mais de 400 arqueólogos reúnem-se a partir deste dia em congresso para debater diferentes comunicações científicas, que abordam investigações que vão da época pré-histórica a um balanço de 19 anos de arqueologia urbana, no Machico, na ilha da Madeira, ou ao período do al-andalus.

Para o presidente da AAP, “os problemas específicos da arqueologia são de tal ordem que justificam plenamente a recriação de um organismo especializado para esta área do património”.

A arqueologia tem problemas específicos, e tem problemáticas diferentes das outras áreas, como os museus, apesar de se cruzarem, mais os monumentos, atualmente abrangidas atual Direção-Geral do Património Cultural”, disse.

O II Congresso da AAP abre esta terça-feira pelas 17:30, no Museu Arqueológico do Carmo, com uma conferência por João Zilhão, “Neandertal”, seguindo-se a apresentação da revista Arqueologia e História 66-67.

O I Congresso da AAP realizou-se também em Lisboa, em 2013, quando a associação celebrou os seus 150 anos. O resultado deste I Congresso está sintetizado na edição “Arqueologia em Portugal 150 anos”, com mais de 1.500 páginas, atualmente, esgotada.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)