Rádio Observador

Arqueologia

Congresso dos Arqueólogos demonstra a vitalidade do setor

559

O II Congresso da Associação de Arqueólogos Portugueses (AAP) vem demonstrar que "a comunidade arqueológica está viva, apesar dos constrangimentos institucionais".

Cerca de 400 arqueólogos vão fazer comunicações durante o Congresso.

PEDRO SARMENTO COSTA/LUSA

O II Congresso da Associação de Arqueólogos Portugueses (AAP), que se realiza entre esta terça-feira e domingo, demonstra que “a comunidade arqueológica está viva, apesar dos constrangimentos institucionais”, disse à agência Lusa o seu presidente.

Apesar dos constrangimentos institucionais, os arqueólogos continuam a defender o património arqueológico, a fazer intervenções, sobretudo relacionadas com grandes obras públicas e privadas, mas também a produzir resultados de investigação científica”, disse à Lusa José Morais Arnaud, presidente da AAP.

Este é o segundo congresso da AAP, e realiza-se em três espaços da capital: no Museu Arqueológico do Carmo, e nas faculdades de Letras da Universidade de Lisboa e de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova.

O congresso termina com um passeio, no domingo, intitulado “Entre o Ribatejo e a Estremadura. Povoados fortificados pré-históricos… sem esquecer o antes e o depois”, incluindo visitas ao Povoado de Vila Nova de S. Pedro, em Azambuja, ao Convento da Senhora das Neves e à Fábrica do Gelo, no Alto de Montejunto, ao Castro de Pragança, ao Museu do Bombarral, ao Castro do Zambujal e ao Castro e Grutas da Columbeira do Alto do Picoto.

Durante o congresso serão apresentadas 150 comunicações, por cerca de 400 arqueólogos, disse Morais Arnaud à Lusa. O presidente AAP afirmou que “a comunidade arqueológica continua bastante ativa, apesar de haver um enfraquecimento das estruturas por parte da tutela”, o Ministério da Cultura.

O responsável lamentou “todos os constrangimentos financeiros e problemas de enquadramento institucional do setor da arqueologia”.

Um enquadramento “que está reduzido à expressão mais simples, mesmo ao mínimo dos mínimos, depois de ter tido um Instituto de Arqueologia com várias valências e vários serviços, agora praticamente, tudo isto está integrado numa divisão, que nem sequer é específica para a arqueologia, dentro de uma direção-geral muito mais abrangente”.

Apesar deste “enfraquecimento”, mais de 400 arqueólogos reúnem-se a partir deste dia em congresso para debater diferentes comunicações científicas, que abordam investigações que vão da época pré-histórica a um balanço de 19 anos de arqueologia urbana, no Machico, na ilha da Madeira, ou ao período do al-andalus.

Para o presidente da AAP, “os problemas específicos da arqueologia são de tal ordem que justificam plenamente a recriação de um organismo especializado para esta área do património”.

A arqueologia tem problemas específicos, e tem problemáticas diferentes das outras áreas, como os museus, apesar de se cruzarem, mais os monumentos, atualmente abrangidas atual Direção-Geral do Património Cultural”, disse.

O II Congresso da AAP abre esta terça-feira pelas 17:30, no Museu Arqueológico do Carmo, com uma conferência por João Zilhão, “Neandertal”, seguindo-se a apresentação da revista Arqueologia e História 66-67.

O I Congresso da AAP realizou-se também em Lisboa, em 2013, quando a associação celebrou os seus 150 anos. O resultado deste I Congresso está sintetizado na edição “Arqueologia em Portugal 150 anos”, com mais de 1.500 páginas, atualmente, esgotada.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)