Conselho de Segurança

França pede “reunião urgente” do Conselho de Segurança sobre escravos na Líbia

A França vai pedir uma "reunião urgente" do Conselho de Segurança da ONU para abordar a venda de migrantes africanos como escravos na Líbia, anunciou o ministro francês dos Negócios Estrangeiros.

LYNN BO BO/EPA

A França vai pedir uma “reunião urgente” do Conselho de Segurança das Nações Unidas para abordar a venda de migrantes africanos como escravos na Líbia, anunciou esta quarta-feira o ministro francês dos Negócios Estrangeiros, Jean-Yves Le Drian.

“A França decidiu na manhã de hoje pedir uma reunião urgente do Conselho de Segurança das Nações Unidas para abordar esta questão. Vai fazê-lo como membro permanente do Conselho de Segurança, tem a capacidade de o fazer”, sublinhou o ministro na Assembleia Nacional (parlamento) francês.

Le Drian recordou que as autoridades líbias, “alertadas mais do que uma vez” para este tema, já lançaram uma investigação e apelou a que este procedimento judicial “avance depressa”.

“[Caso não avance] devemos iniciar um procedimento internacional de sanções”, ameaçou o chefe da diplomacia francesa.

Na semana passada, a cadeia de televisão norte-americana CNN emitiu um documentário no qual revelava a existência de um mercado de escravos perto de Trípoli.

Desde a queda do regime de Muammar Kadhafi, em 2011, os traficantes de seres humanos beneficiam do vazio securitário e, portanto, operam com quase total impunidade na Líbia. Estas redes aproveitam-se de dezenas de milhares de pessoas que arriscam uma travessia perigosa, pelo Mediterrâneo, rumo à Itália, para refazerem as vidas na Europa.

A Itália (nomeadamente a ilha de Lampedusa) fica a cerca de 300 quilómetros das costas líbias.

“A resolução para este tipo de drama não ocorrerá se não existir uma solução política” na Líbia, concluiu Jean-Yves Le Drian.

A Líbia atravessa um período político conturbado, com fações rivais e milícias, em Trípoli e em Tobruk, a disputar o poder.

“Apoiamos que haja uma tomada de consciência por parte dos atores líbios quanto à necessidade de avançar rapidamente, face ao drama que estamos a constatar”, concluiu o ministro francês.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)