A guarda-redes da seleção feminina de futebol Patrícia Morais sublinhou esta quarta-feira que nenhuma jogadora pode pensar que é número um na equipa das ‘quinas’, alertando que todas devem estar prontas psicologicamente e preparadas para dar tudo em campo.

“Tanto eu como todas as minhas colegas sabemos que não há lugares cativos aqui. A qualquer momento ele [selecionador Francisco Neto] pode mexer quer na baliza, quer na defesa, quer no ataque e temos que estar preparados psicologicamente para isso. Não podemos pensar que somos a “número 1”, começou por referir a 49 vezes internacional A, em declarações à agência Lusa.

A cumprir o segundo dia de estágio na Cidade do Futebol, com vista ao duplo compromisso diante da Moldávia e da Itália referente à fase qualificação do campeonato do Mundo de 2019, a realizar em França, a habitual titular das redes do Sporting e de Portugal insistiu que “quem facilitar corre o risco de sair da equipa”, reforçando a ideia de “trabalharem todas juntas em prol da equipa”.

A ausência da capitã das ‘quinas’, Cláudia Neto, devido a lesão, não passa despercebida no seio do grupo e, para a guardiã, quem ocupar o seu lugar no ‘onze’ nas duas partidas da fase de qualificação dará uma boa resposta.

“A Cláudia é uma excelente jogadora e faz muita falta à equipa, mas também não podemos pensar nisso. Temos jogadores com qualidade, não tanto como ela, mas que podem fazer alguma diferença. De certeza que farão o seu melhor no jogo com a Moldávia e Itália para que possamos ganhar os seis pontos”, argumentou.

No plano individual, Patrícia Morais admitiu que atravessa o melhor momento da carreira e não pensa em deixar o “grande clube de topo mundial e europeu” que representa.

“Eu sinto-me mais confiante esta época. Sinto que estou no melhor momento de forma, quer em termos físicos, quer em confiança. Devo agradecer ao meu treinador de guarda-redes que tem sido fantástico e o que tenho vindo a fazer devo-lhe a ele. Eu já estou num grande clube de topo mundial e europeu. Estou focada no Sporting e nem sequer penso em sair”, concluiu.

Na sexta-feira, Portugal defronta a Moldávia, no Estádio do Bonfim, em Setúbal, e quatro dias depois, no Estádio António Coimbra da Mota, no Estoril, enfrentará a Itália. Ambas as partidas estão marcadas para as 17:00.