Rádio Observador

Rússia-Ucrânia

Tentativa de golpe de Estado na república separatista pró-russa de Lugansk, leste da Ucrânia

O líder da "República de Lugansk" denunciou uma tentativa de golpe de Estado fomentada pelo seu ex-ministro do Interior, cujas forças controlam parcialmente este território.

ALEXANDER ERMOCHENKO/EPA

O líder da “República de Lugansk”, região separatista do leste da Ucrânia, denunciou esta quarta-feira uma tentativa de golpe de Estado fomentada pelo seu ex-ministro do Interior, cujas forças controlam parcialmente este território.

“Trata-se de uma tentativa de tomarem o poder pelas armas”, declarou Igor Plotnitski no decurso de uma conferência de imprensa em Lugansk.

O líder pró-russo indicou que uma coluna de veículos militares foi enviada para Lugansk durante a noite em apoio dos golpistas, sem precisar de onde partiu. Segundo os ‘media’ locais, estes reforços militares partiram da outra região separatista pró-russa, a “República de Donetsk”.

A rebelião é dirigida pelo antigo ministro do Interior Igor Kornet, demitido das suas funções por Igor Plotnitski, mas que recusou o seu afastamento e ordenou na terça-feira o posicionamento de tropas do ministério do Interior na cidade, que cercaram os edifícios oficiais.

Quarta-feira, de acordo com a agência noticiosa France-Presse, uma dezena de camiões circulava em Lugansk, enquanto quatro blindados e centenas de homens armados eram colocados no centro da cidade, frente à sede do governo e do ministério do Interior.

Igor Plotnitski parecia em dificuldades esta noite, dois dias após o início da rebelião, incapaz de retomar o controlo das forças de segurança que lhe escapam ao controlo.

No decurso da sua conferência de imprensa, reconheceu que o procurador da “República” e alguns dos seus adjuntos já foram detidos pelos seus opositores.

A “República de Lugansk” e a DNR são duas regiões pró-russas que escapam ao controlo de Kiev desde o início da guerra, em abril de 2004, com as forças de Kiev com um balanço que ultrapassa os 10 mil mortos.

Kiev e os países ocidentais acusam a Rússia de apoiar militarmente os separatistas, uma alegação desmentida por Moscovo.

A Rússia ainda não reagiu à situação em Lugansk, e escusou-se oficialmente a apoiar qualquer dos campos em conflito. Interrogado hoje sobre esta questão, o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, recusou qualquer comentário.

Em 2016 a LNR e a DNR foram palco de numerosos atentados, assassinato de diversos chefes de guerra e de purgas nas instâncias dirigentes.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia-Ucrânia

Direito Internacional Russo /premium

Diana Soller

Tanto a Rússia como a Ucrânia usam como argumento principal a violação das normas do Direito Internacional pelo rival. Ambas têm razão. Só que Moscovo e Kiev estão a falar de coisas muito diferentes.

Ucrânia

Mais umas eleições falsas em Donbas

Inna Ohnivets

A Rússia não quis a paz em 2014 e não quer em 2018. A realização destas eleições fraudulentas é um sinal claro de que a Rússia optou por prolongar o conflito durante mais anos sob o mesmo cenário. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)