Rádio Observador

Orçamento do Estado

Forte subida das receitas fiscais permite baixar o défice orçamental

360

A cobrança de impostos segue a um ritmo elevado e este comportamento foi decisivo para a redução do défice até outubro, de acordo com dados da execução orçamental.

Mário Centeno. "Evolução favorável do défice ao longo do ano garante o cumprimento dos objetivos orçamentais", refere um comunicado do Ministério das Finanças

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Um forte crescimento das receitas fiscais e a estabilização da despesa ajudaram à redução do défice orçamental, de acordo com o comunicado do Ministério das Finanças sobre a execução até outubro de 2017. O documento refere que o saldo negativo baixou para 1.838 milhões de euros, o que representa uma diminuição de 2.664 milhões de euros em comparação com o período situado entre janeiro e outubro de 2016.

“A evolução favorável do défice ao longo do ano garante, pelo segundo ano consecutivo, o cumprimento dos objetivos orçamentais estabelecidos no Orçamento do Estado”, refere o comunicado do Ministério das Finanças. O desempenho da execução orçamental e a “evolução positiva da receita” permitirão a redução da dívida pública em percentagem do produto interno bruto, acrescenta o documento.

As receitas fiscais são o alicerce mais sólido da execução orçamental. No Estado, as receitas provenientes dos impostos subiram 5,7%, com destaque para aquelas que resultam do IVA, que subiram 7,7%, impulsionadas pela dinâmica do consumo. O IRC contribuiu com um acréscimo de 20,9% entre janeiro e outubro na comparação com os primeiros dez meses de 2016. O ritmo de progressão no IRS foi de 4% e as contribuições para a Segurança Social avançaram 6,6%, fruto daquele que o Ministério considera ser um “bom momento do mercado de trabalho”. No total, a receita pública subiu 4,2%.

A despesa sem juros das administrações públicas verificou um recuo de 0,2%, mas o comunicado adianta que, “corrigida do perfil do pagamento do subsídio de Natal nos salários e pensões, a despesa teria crescido 1,7%”. A síntese da execução orçamental especifica que a “estabilização” da despesa “beneficiou do facto de apenas metade das despesas relativas ao 13º mês” dos funcionários públicos ter sido objeto de “pagamento por duodécimos”, a par de se ter verificado um decréscimo nas transferências correntes, justificado pela redução dos gastos com subsídios de desemprego.

Entre os gastos, o Ministério tutelado por Mário Centeno sublinha “o acréscimo de 27,7% no investimento”, sem incluir as parcerias público-privadas, enquanto a despesa do Serviço Nacional de Saúde cresceu 4,5%, a que correspondeu um agravamento do saldo negativo no valor de 82,6 milhões de euros, para 242,9 milhões de euros. O excedente primário, que exclui os juros da dívida pública, “ascendeu a 5.762 milhões de euros”, superior em 2.765 milhões de euros àquele que se registou no mesmo período de 2016.

O Governo diz que “o stock da dívida não financeira” nas administrações públicas, isto é, “a despesa sem o correspondente pagamento, incluindo pagamentos em atraso”, está em redução ao descer 190 milhões de euros. Mas os pagamentos em atraso subiram 103 milhões de euros.

Os dados expressam a evolução da execução orçamental em contabilidade pública, ou seja, numa ótica de tesouraria. Para efeito da avaliação do cumprimento de metas europeias conta a execução em contabilidade nacional, que inclui os compromissos assumidos pelas administrações públicas, ainda que não tenham dado origem a entradas e saídas de dinheiro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)