Um diálogo entre 21 peças icónicas do tesouro do Museu Nacional de História da Roménia e peças valiosas da arqueologia portuguesa vai estar exposto a partir de segunda-feira no Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa.

Com organização da Direção-Geral do Património Cultural, do Museu Nacional de História da Roménia de Bucareste, do Museu Nacional de Arqueologia de Lisboa, da Embaixada da Roménia e do Instituto Cultural Romeno, a exposição é inaugurada nesse dia, às 18:00, e abre ao público no dia seguinte.

“Ouro Antigo. Do Mar Negro ao Oceano Atlântico” é o título desta exposição realizada no âmbito da celebração dos 100 anos de relações diplomáticas entre a Roménia e Portugal.

Entre as peças provenientes da Roménia encontra-se uma das braceletes dácias de Sarmizegetusa, parte de uma significativa descoberta arqueológica do século passado na Europa, segundo um comunicado da organização.

A exposição também vai mostrar o elmo principesco de Cotofenesti, alguns recipientes como a pátera – uma taça metálica usada nos sacrifícios, entre os romanos – do tesouro de Pietroasele, e o ´rhyton´ de Poroina Mare, uma aplicação do segundo túmulo principesco de Apahida, e o anel em ouro com camafeu em sardónica, criado por artífices romanos.

Esta mostra tem como objetivo “ilustrar que aquilo que une os dois países não é apenas a sua comum herança latina mas também a circulação das ideias e formas artísticas na Europa pré-romana e no espaço cultural do Império Romano”.

Sob o signo da celebração, em 2017, dos 100 anos de relações diplomáticas entre a Roménia e Portugal, a exposição estará patente até 22 de abril de 2018, ano do centenário da Roménia e do final da Primeira Guerra Mundial.

A exposição tem o Alto Patrocínio do Presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, e do Presidente da Roménia, Klaus Werner Iohannis. A mostra poderá ser visitada de terça-feira a domingo, das 10:00 às 18:00, no Museu Nacional de Arqueologia, na praça do Império, em Lisboa.