Inundações

Cheias de 1967. Veja os vídeos da pior tragédia depois do Terramoto de 1755

416

As cheias de 1967, que afetaram todo o distrito de Lisboa, provocaram a morte de 700 pessoas e milhares de desalojados. Veja as imagens da maior tragédia da região a seguir ao Terramoto de 1755.

Susana Rosa/ Facebook

A chuva começou a cair na madrugada de 26 de novembro de 1967. O ano tinha sido particularmente seco e ninguém esperava que os chuviscos que começaram a cair durante aquela noite fria provocassem uma tragédia apenas comparável ao Terramoto de 1755. Milhares de pessoas ficaram desalojadas, inúmeras habitações ficaram destruídas e mais de 700 pessoas terão perdido a vida. Os números não são oficiais, porque o Estado Novo quis que os jornais parassem de contar os mortos quando a contabilidade ir em 462 vítimas.

A chuva que caiu sem parar durante três dias foi fruto de uma depressão meteorológica que percorreu todo o Vale do Tejo. As consequências fizeram-se sentir sobretudo nos concelhos de Loures e de Vila Franca de Xira, mas localidades como Odivelas, Oeiras, Cascais, Loures ou Alenquer também foram afetadas. Em alguns locais do distrito, a água chegou a concentrar-se num volume de 170 litros por metro quadrado, como mostram as imagens da época. Na estação meteorológica da Gago Coutinho, em Lisboa, foram registados 115,6 milímetros de precipitação num período de apenas 24 horas.

Na capital, a Avenida de Ceuta ficou debaixo de água e a Avenida da Índia encheu-se de lama. As linhas de comboio deixaram de funcionar e a Praça de Espanha ficou completamente alagada. Na estação meteorológica da Gago Coutinho, foram registados 115,6 milímetros de precipitação num período de apenas 24 horas.

Na Fundação Calouste Gulbenkian, um primeiro balanço falava em 200 livros inutilizados. Os volumes destinavam-se a abastecer as bibliotecas fixas e itinerantes e estavam guardados nos pisos subterrâneos do edifício da sede, na Avenida de Berna, afetado pela subida do nível das águas. A chuva também entrou no interior do Palácio Pombal, em Oeiras, como relata uma reportagem do jornal O Século, mas nenhuma das obras de arte foi afetada.

Apesar de nada nem ninguém ter ficado alheio à tragédia, os cidadãos comuns foram os mais afetados. Muitas pessoas viram-se obrigadas a abandonar as suas casas — estima-se que cerca de 20 mil habitações tenham ficado destruídas. Os que não conseguiram fazê-lo, acabaram por ser apanhados pela chuva.

Ao jornal O Século, Arsénio Nunes, diretor do Instituto de Medicina Legal, admitiu que, ao longo dos 110 anos de existência da instituição, nunca tinha dado entrada um número tão elevado de cadáveres na morgue num espaço de apenas 24 horas. Passados 50 dias das grandes cheias de Lisboa, ainda apareciam corpos que tinham ficado escondidos pela lama pelos escombros dos edifícios destruídos pela força das correntes. Imagens divulgadas na altura, mostram cadáveres de animais alinhados ao longo das estradas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Deficientes

Adorável compromisso de lideranças /premium

Laurinda Alves

24 homens e mulheres que gerem 24 das maiores empresas que operam em Portugal assinaram um documento em que se comprometem a reforçar nas suas organizações a empregabilidade de pessoas com deficiência

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)