Uma mulher de 36 anos está desaparecida desde a madrugada desde sábado depois de a embarcação de recreio onde seguia ter embatido contra as rochas, junto à praia do Castelo do Queijo, no Porto. O alerta foi dado pouco depois da meia-noite e as buscas foram iniciadas logo que as autoridades perceberam que estava uma pessoa desaparecida, revelou o Comandante Rodrigues Campos, do Porto de Leixões, à TVI 24.

Além da mulher — que, de acordo com o Correio da Manhã, era professora em Vila Nova de Gaia –, seguia na embarcação um homem de 45 anos, também ele professor, que foi resgatado pelas autoridades apenas com alguns ferimentos. O acidente terá acontecido depois de o homem ter “perdido o controlo da embarcação por causa de uma onda um bocadinho mais alta“, adiantou o Comandante Rodrigues Campos, frisando, porém, que o professor se encontrava “numa situação de choque” quando foi ouvido pelas autoridades e que, por isso, “não pôde ajudar muito”.

“Para já, percebemos que terá sido um golpe de mar, uma onda mais forte, que terá abanado demais a embarcação e a mulher terá caído a água. O homem não conseguiu recuperá-la e a embarcação acabou por ser arrastada para uma zona rochosa da praia do Castelo do Queijo”, disse posteriormente à Agência Lusa. “Estamos agora tentar recolher dados mais objetivos.”

O homem de 45, que tinha carta de marinheiro, recebeu tratamento no Hospital de Santo António, no Porto, mas que já teve alta. De acordo com a TVI 24, terá saído do hospital por volta das 8h e encontra-se em casa onde estão também as autoridades. A polícia está neste momento a tentar recolher mais pormenores sobre o acidente, que aconteceu numa zona considerada perigosa por causa das rochas. Na altura do incidente, as ondas tinham entre dois a três metros.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

As buscas, iniciadas por volta da meia-noite e meia, vão continuar ao longo do dia “nas imediações da praia do Castelo do Queijo“, no Porto. Estas não foram interrompidas durante a noite “porque a maré estava a subir”. “Tínhamos esperança de que a maré pudesse trazer alguma coisa até à praia”, esclareceu Rodrigues Campos ao canal de televisão.

No local, estão cerca de 25 operacionais da Polícia Marítima e dos Bombeiros Sapadores do Porto, apoiados por uma embarcação do Porto de Leixões, uma mota de água e um helicóptero da Força Aérea. “Está também a encaminhar-se para o local uma corveta da Marinha para auxiliar nas buscas”, referiu ainda o Comandante do Porto de Leixões.