Cristiano Ronaldo tem um novo busto que, desta vez, parece estar mais de acordo com o gosto dos fãs. Realizada de propósito para o Museu do Real Madrid, a escultura foi revelada no passado dia 2 de novembro — dez dias depois de o jogador ter sido pai pela quarta vez — mas só este fim de semana é que a história ganhou fôlego nos jornais espanhóis.

O novo busto de Ronaldo é da autoria de Navarro Arteaga. O escultor sevilhano foi o autor do monumento funerário da Duquesa de Alba, que morreu em novembro de 2014, e uma das suas obras encontra-se exposta nos jardins do Vaticano. Apesar de mais habituado a temas religiosos, Arteaga, de 52 anos, decidiu abrir uma exceção para o jogador português a pedido do filho que, depois de ter visto o famoso (e menos consensual) busto de Cristiano Ronaldo no Aeroporto da Madeira, lhe pediu que fizesse um novo, conta o El Mundo.

À esquerda: o busto de Ronaldo no Aeroporto da Madeira. À direita: a escultura do sevilhano Arteaga, no Museu do Real

Não existem grandes parecenças entre a escultura da Madeira e a nova obra do Museu do Real Madrid que é, a seguir ao Prado e ao Thyssen-Bornemisza, o mais visitado da capital espanhola (o El Mundo fala em um milhão de visitantes só no ano passado). A inauguração contou com a presença do diretor institucional do clube de futebol madrileno, Emilio Butragueño. Nem Florentino Pérez nem Ronaldo puderam estar presentes.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Relevado no início deste ano, o busto de Ronaldo do Aeroporto da Madeira tornou-se famoso por se tratar de uma reprodução pouco fiel (e até estranha) do jogador. As fotografias da obra do até então desconhecido Emanuel Santos percorreram o mundo, tirando o escultor autodidata do anonimato.

Em entrevista à SIC, Emanuel Santos contou que a ideia de fazer o busto foi sua e que, apesar da polémica, Ronaldo até tinha gostado. “Sabia que o nome do Cristiano Ronaldo ficaria associado ao aeroporto e apresentei o projeto à direção [da ANA – Aeroportos de Portugal] e à família. Disseram-me que estava dentro do que pretendiam e para avançar com o trabalho.” Ao todo, o madeirense demorou 15 a realizar o trabalho. “Claro que há um pormenor ou outro que podia ser melhorado. São pormenores técnicos que poderiam fazer a diferença. Mas criei a estátua a partir de uma fotografia e nunca tive o modelo ao vivo”, lamentou.