Presidente Marcelo

Marcelo alerta para “perplexidades e desmotivações” de empresários e gestores

O Presidente da República revelou que tem ouvido "perplexidades e desmotivações" de empresários e gestores. No seu entender, são o preço da estabilidade da atual solução governativa.

Tiago Petinga/LUSA

O Presidente da República afirmou esta terça-feira que tem ouvido de empresários e gestores “perplexidades e desmotivações” com “sinais adversos ao investimento empresarial”, que no seu entender “tem sido o preço” da estabilidade da atual solução governativa.

Marcelo Rebelo de Sousa, que falava no encerramento do 1.º Congresso dos Gestores Portugueses, na Culturgest, em Lisboa, considerou que, no plano fiscal, se tem “olhado menos para estímulos empresariais” e prometeu fazer tudo “para que o processo político ajude decisivamente à competitividade”.

O chefe de Estado defendeu uma “reforçada aposta em exportações e investimento, que o mesmo é dizer produtividade e competitividade, que são condições básicas de crescimento, emprego e coesão social” e pediu que se evitem “aventuras em termos de compromissos plurianuais, projetados para além da legislatura”.

“Neste caminho, tenho ouvido algumas vezes a preocupação de empresários e de gestores com o que, a seu ver, são sinais adversos ao investimento empresarial, quer nos impostos, quer nos custos de produção, que acabariam por introduzir ruído e alimentar perplexidades e, sobretudo, desmotivações, não necessariamente compensadas pela subida de rendimentos e consumo, e mesmo pela expansão do turismo ou do investimento externo em certas áreas sensíveis”, declarou.

Segundo o chefe de Estado, “o ruído, as perplexidades, as desmotivações” que lhe têm sido manifestadas “decorrem de decisões ou medidas inseparáveis do equilíbrio político-institucional vigente”.

“Ou seja, tem sido o preço de uma estabilidade que se tem revelado mais duradoura do que muitos haviam pensado e que o veredito eleitoral local revelou traduzir, para já, a expressão do pulsar político na sociedade portuguesa”, acrescentou, referindo-se às eleições autárquicas de 1 de outubro, em que o PS foi o partido mais votado e com mais autarcas eleitos.

Nesta intervenção, de cerca de quinze minutos, o Presidente da República traçou objetivos para a economia e a sociedade portuguesa: “Garantir estabilidade política, social, laboral, fiscal, credibilidade das instituições, equilíbrio financeiro, criação de condições para crescimento e emprego e redução sustentada da dívida pública e privada externa, sempre preocupados com a competitividade, que não podemos comprometer ignorando o universo que nos rodeia”.

Na sua opinião, “Portugal tem disposto de sensível estabilidade política, social e laboral nos últimos anos”. No entanto, “quanto à estabilidade fiscal, ela tem sido menos marcada, porque tem conhecido passos favoráveis na reposição de rendimentos mais deprimidos ou sacrificados pela crise, mas olhado menos para estímulos empresariais”.

“Realista que sou, não ignoro as dificuldades a vencer e os riscos a enfrentar. Otimista que também sou, sobretudo porque conheço a indomável vontade dos portugueses, tudo farei para que o processo político ajude decisivamente à competitividade, ao crescimento e, portanto, ao sucesso económico”, afirmou, no final do discurso.

Contudo, observou, o sucesso económico “só vale a pena se for social, isto é, se se projetar na vida concreta de todos e de cada um dos portugueses”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

O governo merece uma censura /premium

João Marques de Almeida
120

Se o Presidente, o PM e os partidos parlamentares fossem responsáveis e se preocupassem com o estado do país, as eleições legislativas seriam no mesmo dia das eleições europeias, no fim de Maio. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)