Atualidade

Trabalho a mais leva trabalhadores a drogarem-se

117

Um estudo dá o alerta: a indústria automóvel debate-se com um novo flagelo: o consumo de opióides. Culpa do tipo e horas de trabalho. As overdoses chegaram às fábricas e estão a matar cada vez mais.

Metanfetaminas, opióides, heroína - o vício bateu à porta das fábricas de automóveis nos EUA, entrou, e está a fazer estragos

Reconhecida durante várias décadas como um dos sectores industriais com maior capacidade de exportação e de peso significativo no PIB dos EUA, a indústria automóvel americana vive momentos bem menos exuberantes devido, segundo avança a Automotive News, ao flagelo do consumo de drogas entre os trabalhadores das fábricas. Algo que tem vindo a crescer e que, inclusivamente, tem levado a um aumento das mortes por overdose.

Um estudo levado a cabo pelo Instituto Nacional para o Abuso de Drogas dos EUA, revela que fábricas responsáveis por mais de 70% da produção dos construtores automóveis norte-americanos estão, hoje em dia, assinaladas pelos Centros de Controlo e Prevenção de Doenças, por se encontrarem em estados onde, nos últimos anos, se tem vindo a assistir a um aumento considerável de mortes por overdose. Nomeadamente, face a 2015, último ano em que terão sido compilados números relativos a este flagelo.

FCA, Ford e GM são as mais atingidas

Entre as unidades fabris e construtores mais atingidos por este problema estão, segundo o mesmo estudo, a totalidade das seis fábricas que a Fiat Chrysler Automobiles (FCA) possui nos EUA, sete das unidades de produção da Ford Motor Company e oito das 12 linhas de produção da General Motors.

Fazem igualmente parte da lista completa três das quatro maiores fábricas automóveis no país: a unidade da Nissan em Smyrna, no Tennesse; a fábrica da Toyota em Georgetown, no Kentucky; e a da Honda, em Marysville, Ohio.

Trabalhos repetitivos e de muitas horas são motivo

Quanto a motivos para esta subida no número de funcionários viciados em opióides, o estudo refere não apenas ao tipo de trabalho que os empregados destas fábricas desenvolvem, quase sempre muito repetitivo e até perigoso, mas também os problemas de saúde daí resultantes, com grande parte a sofrer, com o tempo, de fortes dores no corpo – fruto de muitas horas na mesma posição, garantem os representantes dos trabalhadores.

Os trabalhadores fazem 8 a 11 horas por dia de trabalho”, afirma um representante dos trabalhadores na fábrica da Ford em Louisville, no Kentuchy. Salientando que “a linha de montagem é um local muito repetitivo, aborrecido, tedioso, onde se desempenha uma função que acaba por causar muitas dores no corpo.”

Não raras as vezes, “é o próprio médico que receita opióides para combater o problema”. O que, após um consumo prolongado, acaba por resultar numa dependência. “A partir daí, uma coisa leva à outra e vai ficando cada vez pior”, conclui o mesmo testemunho.

O consumo de drogas e o seu impacto mortal atingiram o meio industrial

Programas empresariais não resolvem

Conscientes desta realidade, os fabricantes automóveis criaram programas que visam ajudar os trabalhadores com dependências e distúrbios mentais. No entanto e segundo a Automotive News, essa resposta tem-se revelado inadequada para lidar com recuperações longas, como é o caso das dependências das drogas.

Por outro lado, os trabalhadores evitam recorrer a esses programas, com receio de assumirem a sua dependência e, assim, ficarem em risco de perder o emprego. Perante este cenário, os responsáveis defendem que só com um plano de saúde federal será possível debelar este problema, que está a colocar em causa uma das principais forças motoras da indústria norte-americana.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)