Envelhecimento

Villaverde Cabral: envelhecimento é o problema mais importante da sociedade

O investigador e professor universitário considera que o envelhecimento é o problema mais importante da sociedade. Manuel Villaverde Cabral falou no Congresso de Envelhecimento Ativo e Saudável.

SIMELA PANTZARTZI/EPA

O investigador e professor universitário Manuel Villaverde Cabral considerou esta terça-feira o envelhecimento como o problema mais importante das sociedades modernas e defendeu esforços públicos e privados para que a última fase da vida seja ativa e saudável.

“Se excluirmos a guerra e alguns acontecimentos políticos internacionais muito complexos, este é o problema mais importante da nossa sociedade. A Europa é o continente mais envelhecido do mundo, mas felizmente também é dos mais ricos e dos mais instruídos”, disse à agência Lusa Manuel Villaverde Cabral, à margem do 5.º Congresso Regional Envelhecimento Ativo e Saudável, uma iniciativa do consórcio Ageing@Coimbra.

Villaverde Cabral, que no âmbito do congresso apresentou esta terça-feira dados do inquérito SHARE – um projeto internacional por si coordenado, cujas conclusões foram divulgadas em 2016 e que compara o envelhecimento populacional de Lisboa com o da população portuguesa e a média de 16 países europeus – frisou que, salvo a ocorrência de um cataclismo como uma guerra nuclear, “o envelhecimento não vai andar para trás e, por todas as razões, quer-se que as pessoas vivam o mais tempo possível mas vivam bem, com qualidade de vida”.

De entre os dados hoje recordados, está um que situa Portugal na ‘cauda’ da Europa no que concerne, especificamente, à adoção de práticas de envelhecimento ativo: “Lisboa está perto da média europeia, mas o conjunto do território português está muito abaixo de metade da média europeia, Portugal é o mais baixo de longe da Europa”, sustentou o investigador.

Também por isso, iniciativas como as desenvolvidas pelo consórcio Ageing@Coimbra – formado há cinco anos e coordenado pela Universidade de Coimbra numa parceria institucional com a Câmara Municipal de Coimbra, o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), a Administração Regional de Saúde do Centro e o Instituto Pedro Nunes e que reúne cerca de 60 entidades diversas, entre autarquias e organismos da área social e saúde, entre outros – são, para Villaverde Cabral, uma forma de “encorajamento” de boas práticas no envelhecimento ativo, um movimento cuja génese teve origem na União Europeia, disse.

“É bom que as gerações atuais tenham consciência deste problema e acho que têm. As práticas sociais das gerações mais novas já são mais favoráveis [a um envelhecimento ativo saudável]”, considerou.

Já Manuel Teixeira Veríssimo, especialista de Medicina Interna do CHUC e coordenador do Ageing@ Coimbra, considerou que o trabalho em rede liderado pelo consórcio “está no bom caminho” para contrariar os indicadores negativos suscitados no estudo de Manuel Villaverde Cabral.

“É precisamente para contrariar o que temos de mau. Nós, em Portugal, já temos grande longevidade, mas ainda não temos qualidade de vida quando chegamos a velhos”, observou.

Manuel Teixeira Veríssimo adiantou que o “objetivo final” do programa é o de “manter a funcionalidade física e mental dos idosos”, mas alertou que a maneira de o atingir “pode não ser igual para todos”.

“Depende do nível social, do nível cultural, até do nível físico das pessoas. E há que adaptar os instrumentos à população, sendo ela de Coimbra ou sendo ela do interior do país”, frisou.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

A cura pelo visível /premium

Paulo Tunhas

De qualquer maneira, tudo tem um lado bom. O “como é que se entretém?” da enfermeira Daniela promete uma resposta fácil para os dias vindouros de futuros entretenimentos: com formas, só com formas.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)