“Após centenas de pedidos”, a marca portuguesa de calçado abre a primeira loja em território português (e europeu). A Josefinas prepara-se para ocupar o Hotel H10 Duque de Loulé, em Lisboa, durante os dias 9 e 10 de dezembro. A iniciativa foi feita a pensar no Natal, mas também em atender aos pedidos das clientes portuguesas que, até aqui, tiveram sempre de comprar online.

Durante sete dias, a marca está a oferecer o serviço de personalização © Divulgação

“Um espaço físico em Lisboa não estava previsto, pelo menos para já, no percurso da Josefinas. Mas porque a Josefinas é feita das suas clientes, e porque sabíamos que era já um desejo antigo (todos os dias nos perguntam ‘Para quando em Lisboa?’), quisemos surpreendê-las ainda este ano”, afirma Maria Cunha, presidente executiva da empresa, no comunicado em que anunciou a boa notícia.

Durante esse fim-de-semana, a marca vai garantir um atendimento mais personalizado para as clientes que façam marcação prévia, com meia hora e até três pares que estas revelem ser da sua preferência. Mas a loja não vai funcionar em exclusivo por marcação. Qualquer outra pessoa pode entrar, ver, tocar e experimentar.

A marca existe há quatro anos e no verão do ano passado abriu a primeira loja própria… em Nova Iorque. O projeto foi temporário e durou um ano. Se, no início, foram as sabrinas (ou bailarinas) a tornarem-se nas imagens de marca da Josefinas, hoje o catálogo já vai bem mais à frente. Sapatilhas (ou ténis), sandálias, sapatos, botas e até malas — o universo “josefineiro” cresceu e abriu as portas às maravilhas da personalização, das aplicações de pelo que se podem por e tirar às palavras que se podem gravar no calcanhar.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Durante quatro anos, a marca apostou na produção manual das suas peças, que continua a ser feita no norte do país. As Josefinas seguem a partir daí para todo o mundo, o que inclui os pés de Leandra Medine, Chiara Ferragni e de muitas outras estrelas da blogosfera.