De todas as memórias que guardamos com mais carinho há uma que se destaca com toda a certeza: quando a nossa mãe nos chamava para a mesa. Ouvíamos a voz de comando gritar “está na mesa” e era como se um botão fosse acionado dentro de nós. É certo que ainda tentávamos protelar um pouco, atrasando a marcha, mas provavelmente só o fazíamos para a ouvir de novo “está na mesa!”, agora com mais ímpeto e determinação. Nessa altura sabíamos que era mesmo para ir, obedecendo imediatamente. Se não o fizéssemos, ainda nos arriscávamos a ouvi-la chamar os nossos dois primeiros nomes, o que não era nada bom sinal.

Bom mesmo era o que vinha depois, a hora da refeição com a família toda junta e, muitas vezes, os nossos pratos favoritos. Entre estes há um que com certeza reunia as preferências de toda a gente lá em casa e até nos apressava o passo para a mesa: o bife com ovo a cavalo e batatas fritas a acompanhar. Quando sentíamos o cheirinho das batatas acabadas de fritar, ficávamos como que hipnotizados. E até estranhávamos se a mãe demorava a chamar-nos para a mesa.

[jwplatform CRFZ3Dqk]

Os sabores inesquecíveis

Recordações idênticas são as que nos levam para os natais da nossa infância, quando nos juntávamos a avós, primos e tios e tudo se passava em redor da mesa. Aqui não faltavam os pastéis de bacalhau, o polvo frito, as filhós, os coscorões ou as azevias, tudo estaladiço e delicioso. Um sabor que ainda hoje nos acompanha em sonhos e que procuramos reavivar em cada quadra festiva.
Olhando para estas nossas memórias de coração, há um elemento que é comum: a comida que nos aconchegava e que nos fez estabelecer relações profundas com as marcas que estavam lá, sempre, em todos esses momentos. Marcas que nos têm acompanhado pela vida fora, a par e passo, remetendo-nos sempre para aquela altura em que a mãe nos chamava e à nossa espera estava a melhor comida de todas. Marcas como Fula, que há mais de 50 anos está nas nossas casas – juntos à mesa – a dar sentido à hora das refeições.

Uma história de inovação constante

Mostrar Esconder

Há mais de cinco décadas a visitar as nossas casas, o óleo Fula acabou por se tornar parte da família e é hoje considerado “o” óleo dos portugueses. E a verdade é que a marca é pioneira em Portugal em diversas áreas:

  • Em 1964, com apenas dois anos de vida, Fula torna-se a primeira marca de óleos alimentares em Portugal a ser embalada;
  • Em 1967 volta a ser pioneira e passa a comercializar-se em embalagens de PVC;
  • Depois de introduzir melhorias sucessivas, como o sistema de cápsulas e o prazo de validade, em 1980 é a primeira marca de óleos do país a incluir código de barras;
  • Em 1994 é a primeira marca em Portugal com certificação de qualidade;
  • Continuando sempre a superar-se, em 2010 melhora a fórmula e introduz a inovação “reduz o cheiro a fritos”, sendo a única marca no mercado com esta garantia;
  • Em 2013 lança o Fula Spray&Go, uma forma inovadora de usar óleo nos cozinhados, assegurando que não há sujidade nem desperdício.

A marca de confiança

Não é qualquer pessoa que convidamos para se sentar connosco à mesa. Para o fazermos é necessário que haja confiança e uma relação sustentada no tempo com credibilidade e capacidade de entrega.
Por isso mesmo, porque tem vindo a cumprir sempre estes critérios, a Fula foi eleita pelos portugueses como Marca de Confiança, o que acontece pela décima segunda vez. Este ano, a marca atingiu o maior índice de notoriedade alguma vez conseguido neste ranking, chegando aos 92%, o que revela a posição que ocupa nas preferências dos consumidores e, em consequência, nas mesas nacionais.
“Está na mesa” é precisamente o mote da nova campanha de Fula que chama todos para uma refeição saborosa e divertida. Com o conceito criativo da agência McCann, o novo anúncio conta a história de uma mãe que chama a família para a mesa, mas além do marido e dos filhos atrai também toda a vizinhança, que acaba por se juntar à refeição, contribuindo para um momento de grande descontração e convívio. “Fula, juntos à mesa” é a assinatura que complementa a campanha da marca, que assim celebra e agradece o acolhimento que tem tido na casa dos portugueses há mais de 50 anos.