Donald Trump respondeu às críticas da primeira-ministra britânica, Theresa May, que condenou os retweets do presidente norte-americano de vídeos com mensagens anti-islâmicas publicados por uma das líderes do Britain First, Jayda Fransen. Trump não se calou e aconselhou May a não se focar nele mas sim “no destrutivo Terrorismo Islâmico Radical dentro do Reino Unido” pois “nós [EUA] estamos bem!”

O tweet acima foi a segunda de duas respostas que Trump enviou a Theresa May — ou melhor, a ‘Theresas May’ –, visto que o presidente dos Estados Unidos publicou um primeiro tweet identificando uma @theresamay que não é primeira-ministra britânica. A primeira resposta foi, entretanto, apagada.

A primeira-ministra britânica, através da sua porta-voz, considerou “errado para o presidente” ter partilhado os vídeos, dizendo que o Britain First “tenta dividir comunidades através do uso de narrativas odiosas que promovem mentiras e incitam tensões”. Boris Johnson, secretário de Estado para Assuntos Externos, disse que o “Reino Unido tem uma história orgulhosa enquanto sociedade aberta e tolerante”, acrescentando que o “discurso de ódio não tem lugar [lá]”.

O presidente dos Estados Unidos partilhou três vídeos de supostos muçulmanos a cometer atos de vandalismo e violência.Um mostra um mostra um homem a destruir uma estátua da Virgem Maria; outro uma pessoa a ser atirada do topo de um edifício e a ser espancada alegadamente “até à morte”; o terceiro mostra um suposto rapaz muçulmano a agredir outro adolescente de muletas.

A partilha destes vídeos tem sido considerada por muitos como a promoção e legitimação da extrema direita e do ódio anti-islâmico por parte do presidente dos EUA.