África

Presidente da União Africana: há até 700 mil migrantes a viver em campos na Líbia

O presidente da União Africana alertou para a existência de 700 mil migrantes a viver em campos de refugiados na Líbia. A Guiné-Bissau acredita que existem guineenses e está a tratar do repatriamento.

STR/EPA

O presidente da Comissão da União Africana, Moussa Faki Mahamat, disse esta quinta-feira que o número de pessoas a viver em campos de refugiados na Líbia, muitas vezes em “condições desumanas”, pode chegar aos 700 mil.

Numa intervenção no final da cimeira entre a União Europeia e a União Africana, que esta quinta-feira terminou em Abidjan, e que foi muito marcada pela questão das migrações, Mahamat disse que só num campo em Tripoli havia 3.800 migrantes a precisarem de ser retirados tão depressa quanto possível.

“E isso é só num campo”, vincou o líder da União Africana, salientando que “o Governo da Líbia disse que há 42 campos”, sendo que alguns destes albergam ainda mais pessoas.

A Organização Internacional das Migrações diz que mais de 423 mil migrantes, a maioria dos quais africanos, foram identificados na Líbia, um país mergulhado numa profunda instabilidade política e procurado por migrantes que tentam atravessar o Mediterrâneo para a Europa.

O secretário de Estado das Comunidades da Guiné-Bissau, Dino Seidi, confirmou esta quinta-feira que há cidadãos guineenses na Líbia e que o Governo está a criar condições para o seu repatriamento.

“Nós estamos a ser confrontados com uma situação de salvar vidas. Lá as pessoas não dizem sou guineense, queniano ou senegalês. Temos uma nota da OIM (Organização Internacional das Migrações) da Líbia, que diz que não há guineenses, mas nós sabemos que estão lá”, afirmou Dino Seide, sem avançar com números.

O secretário de Estado das Comunidades disse que vão ser criadas “condições objetivas” para que as pessoas possam ser repatriadas.

“Essas condições passam por um processo de identificação e posteriormente o repatriamento”, disse, explicando que brevemente vai ser deslocada uma missão à Líbia para fazer esse trabalho.

“É preciso pôr alguém no terreno para fazer este trabalho, nós não temos representação diplomática na Líbia e as associações de guineenses locais não estão a funcionar e temos estado a fazer contactos esporádicos”, acrescentou.

Nas declarações aos jornalistas, o secretário de Estado das Comunidades mostrou a carta da OIM enviada ao Governo em que a organização refere que não há guineenses na Líbia.

No entanto, o próprio Governo guineense e vários jornalistas locais têm estado em contacto com pessoas que lá vivem.

Esta quinta-feira, em conferência de imprensa, o encarregado de Negócios da Embaixada da Líbia em Bissau, Fathi Tabawi, disse não saber se “existem guineenses” no seu país.

“Não temos informação sobre o assunto. Mas a Líbia é um local bastante frequentado por africanos e, caso haja, a embaixada vai comunicar ao Governo guineense”, afirmou.

O representante diplomático pediu também às pessoas que tenham informação fiável sobre a presença de guineenses na Líbia para informarem a embaixada.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)