Rádio Observador

Nigéria

Presidente presta condolências à família de português raptado na Nigéria

Marcelo Rebelo de Sousa manifestou o seu pesar pela morte de José Machado na Nigéria. O português tinha sido raptado no estado de Kogi na sequência de um tiroteio.

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, manifestou esta quinta-feira o seu pesar pela morte do português José Machado na Nigéria e endereçou as suas condolências à família.

“Foi com grande consternação que tomei conhecimento do falecimento de José Machado na Nigéria, após um penoso período de incerteza quanto ao seu paradeiro, que fui acompanhando junto do Governo e também do meu homólogo nigeriano. (…) Bem gostaria que o desfecho tivesse sido diferente”, escreveu o chefe de Estado, numa nota publicada na página oficial da Presidência da República na Internet.

Marcelo Rebelo de Sousa afirma que os seus pensamentos “estão com a família de José Machado, tendo transmitido diretamente à viúva, por telefone, sinceras condolências neste momento de pesar”.

Fonte do gabinete do secretário de Estado das Comunidades divulgou na quarta-feira que o cidadão português raptado na Nigéria a 23 de outubro morreu.

“O Ministério dos Negócios Estrangeiros teve hoje conhecimento da morte do cidadão português raptado a 23 de outubro na região de Kogi, na Nigéria. Foi com muita tristeza e profundo pesar que tive conhecimento do desfecho do rapto deste português. Vivemos desde a primeira hora o drama desta família. E com ela sofremos a sua dor neste momento. Resta-nos, agora, continuar apoiá-la”, declarou o secretário de Estado das Comunidade Portuguesas, José Luís Carneiro, numa mensagem enviada à Lusa.

Segundo as informações do gabinete do secretário de Estado das Comunidades, “na ocasião foram mortos dois polícias que acompanhavam esse cidadão. Desde então, e até hoje, todas as entidades do Estado português cooperaram com as autoridades nigerianas na tentativa de obter a sua libertação”.

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas já apresentou as condolências à família e informou do total apoio consular e diplomático nas diligências relativas à realização da autópsia e à transladação do corpo para Portugal.

Ainda de acordo com a fonte, “a entidade patronal do cidadão, a autarquia do Marco de Canaveses e os serviços consulares cooperarão para garantir todo o apoio social necessário”.

O cidadão português foi raptado no estado de Kogi, na Nigéria, na sequência de um tiroteio iniciado por um grupo de 15 homens armados, que causou também a morte de dois polícias.

O porta-voz do comando da polícia do estado nigeriano, William Aya, disse, na ocasião do rapto, que os 15 homens armados estavam escondidos numa vegetação próxima de uma zona de obras onde se reabilitava uma estrada.

O português raptado, identificado como José Machado, engenheiro civil, estava juntamente com outros expatriados e também nigerianos a inspecionar o projeto quando surgiram os homens armados.

Segundo William Aya, os dois polícias – Ezekiel Negedu, inspetor, e Gini John, sargento – estavam a vigiar a obra quando começou o ataque. Este ano, cerca de mil pessoas foram raptadas na Nigéria.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)