Rádio Observador

Mundial 2018

O outro lado do grupo de Portugal: a comparação do consumo de cerveja, do número de homicídios e dos salários

Portugal vai jogar com Espanha, Irão e Marrocos. Isto todos sabemos. Mas qual destes países bebe mais cerveja? Qual é que tem mais homicídios por ano? Mais obesos? Este é o outro lado do grupo B.

Somos os campeões da Europa mas não somos os campeões da cerveja

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Agora que já se sabe que Portugal vai jogar com Espanha, Irão e Marrocos no grupo B no Mundial da Rússia, as análises e comparações entre as quatro seleções vão multiplicar-se. Cruzamento de dados, de história em Mundiais, de títulos ganhos e possibilidade de seguir em frente. Mas qual destes quatro países é que bebe mais cerveja? Qual é que tem os salários mais elevados? Qual é que tem o maior número de homicídios?

Se Portugal é o campeão da Europa, Espanha é a campeã da cerveja. Segundo a Marca, cada espanhol bebe 68,4 litros de cerveja por ano. Portugal segue destacado em segundo lugar, com 59,6 litros de cerveja anuais por pessoa. Cada marroquino bebe apenas 0,2 litros e quanto ao Irão, nem sequer existem dados (o álcool é proibido).

“Nuestros hermanos” também têm a maior percentagem de população que joga futebol de forma amadora: 7,02%. Por cá, só 5,16% dos portugueses junta os amigos para uma “peladinha” regularmente e em Marrocos isto acontece com 4,9% dos marroquinos. O Irão volta a ficar na cauda do grupo, já que apenas 2,63% da população iraniana escolhe como hobbie o futebol.

Mas os iranianos são os campeões noutro campeonato. Nos homicídios por ano, o Irão leva a taça com 2.215 assassinatos anuais. Marrocos tem 447 homicídios, Espanha 390 e se fosse este o índice necessário para seguir em frente no grupo B, Portugal vinha para casa com uma mão cheia de nada. No nosso país, registam-se 124 assassinatos por ano (e ainda bem que nesta liga somos os piores).

E quanto é que se ganha nestes países? Em teoria, os espanhóis serão os que têm mais condições para viajar até ao país de Putin e apoiar a “roja”. Em Espanha, um trabalhador recebe em média 1.635 euros, um valor algo contrastante com os 447 do Irão e os 415 de Marrocos. Segundo a Marca, o salário médio português é 1.081 euros. Uma curiosidade: neste campeonato, os suíços iam à final, venciam por 5-0 e conquistavam o mundo e planetas afins. Na Suíça, o salário médio é de 6.300 euros.

Mas não falta só dinheiro. Em Marrocos, parece que faltam jogadores. 60% do plantel marroquino não nasceu no país, em contraste com o Irão, que garante que todos os jogadores da seleção nasceram em território iraniano. E além de serem poucos são, muito provavelmente, os mais cheinhos: 26% da população de Marrocos é obesa.

Ainda assim, estamos a falar de futebol. E o ranking mais importante ainda é o da FIFA. E nesse, caros amigos espanhóis, marroquinos e iranianos, Portugal não dá tréguas. A seleção das quinas tem o último lugar do pódio, contra a sexta posição de Espanha. O Irão está no 32.º lugar do ranking e Marrocos no 40.º.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)