Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Sochi, Moscovo e Saransk: são estas as cidades onde Portugal vai realizar os jogos da fase de grupos do Mundial 2018, na Rússia. A seleção portuguesa vai ficar sediada a poucos quilómetros da capital russa, em Kratovo, mas vai ter de fazer muitos milhares de quilómetros para disputar cada um dos jogos: cerca de 4400, para ser mais exato.

Da sede portuguesa a Sochi, onde Portugal joga contra a Espanha no primeiro jogo do Mundial (15 de junho), são cerca de 1600 km. Até Saransk, para o jogo contra o Irão (dia 20), anda por volta dos 600. A ‘sorte’ é que a seleção nacional pode descansar entre viagens no jogo contra Marrocos: são pouco mais do que 50 km de Kratovo até ao estádio moscovita.

A seleção portuguesa vai jogar assim no estádio construído para os Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi, em 2014, na antiga fortaleza desportiva da União Soviética e num estádio que… bem, ainda não é um estádio. Vamos por partes:

O estádio Fisht, onde Portugal vai jogar com Espanha (15 junho, 18 horas)

Construído para os Jogos Olímpicos de Inverno de 2014, em Sochi, o estádio Fisht já recebeu grandes eventos. Tem capacidade para 47.659 espetadores e custou mais de 500 milhões de euros. Quando receber o encontro entre Portugal e Espanha ter-se-à tornado apenas no segundo estádio a receber uns Jogos Olímpicos e um Mundial de futebol. O primeiro foi o Estádio Olímpico de Turim, em Itália.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O estádio de Fisht, que serve de centro de treinos para a seleção russa, está construído de forma a ter vista para as montanhas Krasnaya Polyana e para o mar Negro.

Fisht vai receber seis jogos: quatro da fase de grupos, um nos 16 avos-de-final e o último nos quartos-de-final.

Foto: https://www.soccer.ru/galery/995258/photo/652541 / WIkimedia Commons

Contra Marrocos, Portugal joga no estádio da Final (20 junho, 12h00)

Antigamente conhecido como Estádio Central Lenin, o atual Luzhniki era a fortaleza futebolística da antiga URSS. Foi inaugurado em 1956 mas tem sido sucessivamente reabilitado (a ultima renovação ficou concluída em junho deste ano), sendo capaz de sentar mais de 84 mil adeptos. O estádio vai receber a final do Mundial de 2018, dia 15 de julho.

O estádio de Luzhniki já serviu de casa ao CSKA Moscovo e ao Spartak Moscovo e é um dos poucos grandes estádios com relvado sintético, necessário devido aos invernos russos agrestes.

Cristiano Ronaldo já foi feliz em Luzhniki — foi lá que o internacional português venceu a primeira Liga dos Campeões, em 2008, pelo Manchester United. A equipa liderada por Alex Ferguson bateu o Chelsea por 6-5 nas grandes penalidades, após um empate a 1-1 no tempo regulamentar, golos de Ronaldo e Lampard. Para que Ronaldo possa voltar a ser feliz numa final em Luzhniki a seleção nacional terá de passar primeiro por Marrocos, no segundo jogo da fase de grupos.

Foto: Mos.ru/ Wikimedia Commons

O último jogo de Portugal na fase de grupos é num estádio que ainda não está terminado (25 junho, 18h00)

A cidade de Saransk não é um dos grandes polos futebolísticos russos mas foi escolhida para receber alguns dos jogos da fase de grupos do Mundial 2018, no (ainda por terminar) Estádio Mordovia. A construção começou em 2010 e sofreu diversos atrasos, nomeadamente entre 2013 e 2015, intervalo em que não houve construção. Estima-se que o estádio esteja terminado em início de 2018 e que consiga receber um evento-teste em Abril.

Foto: Lars Baron/Getty Images

O Estádio Mordovia tem capacidade para receber mais de 44.442 espetadores, mas esta será reduzida para 28 mil após o Mundial para servir de casa ao Mordovia Saransk, da 3ª divisão russa.

Portugal defronta o Irão em Saransk no último encontro da fase de grupos do Mundial 2018.