Rádio Observador

Transportes Públicos

Transportes públicos vão ter maior aumento em cinco anos. Sobem 2% em 2018

1.177

Preço dos transportes públicos vai aumentar 2% no próximo ano. Secretário de Estado José Mendes fala em "solução equilibrada" para empresas e passageiros. Aumento será o maior desde 2012.

JOSÉ COELHO/LUSA

O preço máximo dos transportes públicos vai subir em média 2% no próximo ano, avança o secretário de Estado Adjunto e do Ambiente ao Jornal de Notícias. José Mendes, que tem a tutela dos transportes, justifica este aumento acima da inflação prevista para 2018, que é de 1,4%, como sendo uma “solução equilibrada” para responder ao aumento dos custos de produção das empresas e para manter as compensações a alguns passageiros.

O Governo decidiu recentemente alargar os descontos a crianças e jovens até aos 23 anos que passaram a pagar menos 25% desde setembro deste ano. José Mendes defende que não se pode ignorar o agravamento da fatura dos operadores, nomeadamente com combustíveis e recursos humanos, que são os dois principais custos do setor.

O aumento anunciado para o próximo ano, que é o limite máximo, é o maior dos últimos cinco anos. Só em 2012, com a troika em Portugal, é que o preço dos transportes subiu 5%. Isto depois de ter sofridos dois aumentos acima da inflação em 2011, o normal de 4,5% em janeiro, e um extraordinário de 15% decidido já depois de Portugal ter pedido resgate. Em 2013 e 2014, o preço dos transportes públicos subiu cerca de 1% em cada, tendo-se seguido de dois anos sem atualização de preços que coincidiram com taxas de inflação residuais. Este ano, os preços foram atualizados em 1,5%.

Nos últimos dois anos as empresas públicas de transportes tiveram de suportar os encargos resultantes da reposição dos cortes salariais, mas também dos complementos de reforma que foram cortados pelo anterior Executivo. O secretário de Estado defende ainda a necessidade de libertar recursos para o investimento, destacando a renovação da frota de autocarros com a compra de 510 veículos a gás natural.

Um outro encargo que as empresas vão ter de suportar no próximo ano, já começaram aliás este ano, é o reembolso dos valores em dívida ao Santander Totta por causa dos contratos swap (produtos de risco financeiro), na sequência do acordo feito entre o Governo e o banco. Para além de pagarem o que ficou para trás, com a suspensão destes contratos pelo anterior Governo, as empresas Metro de Lisboa, Metro do Porto, Carris e STCP vão também de retomar o pagamento dos cupões até ao fim de vida dos contratos.

O aumento dos custos de produção nos transportes também resulta de algum reforço da oferta, que por sua vez, tem ajudado à recuperação de passageiros nas empresas do setor. Segundo dados avançados ao JN, no Porto, os STCP e o Metro do Porto estão a registar crescimentos de 5,5% e 4,8%, respetivamente. Em Lisboa, o Metro de Lisboa está com mais 6,3% de passageiros e o crescimento no transporte fluvial é da ordem dos 4,2%. A Carris passou para a gestão da Câmara de Lisboa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

A Saúde e a Constituição

António Alvim

Agora, na altura em que se comemoram os 40 anos do SNS, importa desmitificar outra ideia feita pela esquerda. Que o atual Modelo Público de SNS resulta da Constituição e é imposto por esta.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)