Na passada sexta-feira, o mais recente casal da monarquia britânica saiu à rua, naquele que foi o primeiro compromisso público da norte-americana Meghan Markle na companhia do noivo, o príncipe Harry. Os dois foram recebidos à chegada a Nottingham, em Inglaterra, por uma multidão de entusiastas. Entre sorrisos, fotografias e apertos de mão ficou provado, mais uma vez, que Markle é o próximo ícone de moda da realeza: a mala que usou a 1 de dezembro esgotou em apenas 11 minutos — onze.

A mala que Meghan Markle usou na passada sexta-feira esgotou em apenas 11 minutos. JEREMY SELWYN/AFP/Getty Images

A mala grená (563 euros) da marca Strathberry, com sede em Edimburgo, na Escócia, é mais uma das peças usadas por Meghan a chamar a atenção de terceiros. Também o casaco branco que a atriz usou quando anunciou o noivado fez furor — não só esgotou, como a marca canadiana Line the Label rebatizou-o de “Meghan”.

Já antes, durante a abertura dos Invictus Games, evento apadrinhado pelo noivo, um vestido usado por Meghan causou semelhante efeito. O vestido cor de vinho, da marca Aritzia, ficou rapidamente indisponível, mesmo custando 185 dólares (156 euros).

O fenómeno não é novo: o mesmo aconteceu e acontece com Kate Middleton, cujas escolhas de roupa fazem esgotar stocks de lojas e de marcas — ainda antes de ser duquesa de Cambridge, já Middleton se tinha proclamado rainha do low cost.

Agora, é notícia que Meghan Markle ficou à frente da duquesa de Cambridge na lista “Year in Fashion 2017”, organizada pelo motor de busca de moda Lyst — Markle e Middleton aparecem em quarto e quinto lugar, respetivamente, considerando as celebridades mais influentes (em primeiro lugar está, talvez sem surpresa, Rihanna). O ranking é feito com base na análise de 100 milhões de buscas de 80 milhões de compradores em 120 países.

Lado a lado é visível o quanto diferem, na moda, as futuras cunhadas. Getty Images