Zimbabué

Presidente do Zimbabué presta juramento perante novo gabinete da ZANU-PF

Emmerson Mnangagwa prestou juramento como chefe de Estado do Zimbabué, depois de Robert Mugabe ter estado no poder durante 37 anos.

AARON UFUMELI/EPA

Emmerson Mnangagwa prestou esta segunda-feira juramento como chefe de Estado do Zimbabué perante o novo gabinete que incluiu elementos do partido no poder e militares que estiveram envolvidos na deposição de Robert Mugabe. Após a cerimónia, Mnangagwa disse que a prioridade é a recuperação económica do país.

Entre os membros do novo governo estão o major-general Sibusiso Moyo (ministro dos Negócios Estrangeiros) e o marechal da Força Aérea, Perrance Shiri, que vai ocupar o cargo de ministro da Agricultura.

Muitos dos nomes que inicialmente eram apontados como ministros não foram escolhidos porque a maior parte do executivo tem de ser constituído por deputados eleitos – o que não é o caso do novo chefe da diplomacia e do ministro da Agricultura.

O major-general Moyo foi o oficial que anunciou a tomada de poder pelos militares, no dia 15 de novembro, e que conduziu ao afastamento de Mugabe que se manteve no poder durante 37 anos e que se preparava que reconduzir a mulher, Grace Mugabe, no cargo de chefe de Estado.

Mnangagwa já foi fortemente criticado pela nomeação dos dois militares, que emanam do regime da ZANU-PF, partido de poder desde 1980, assim como de elementos fiéis a Robert Mugabe e que fazem parte do Executivo.

Entretanto, o novo presidente apelou à “unidade” para “o relançamento da economia” que se encontra em profunda crise desde a instauração da reforma agrária no início do século XXI.

Mais de noventa por cento da população encontra-se no desemprego sendo que o país precisa urgentemente de liquidez financeira.

Mnangagwa lançou na semana passada um aviso para que, nos próximos três meses, as empresas e os investidores particulares voltem a depositar no Zimbabué o capital que “retiraram do país” ilegalmente.

As eleições presidenciais e legislativa devem realizar-se em agosto de 2018.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)