De acordo com a agência do ambiente da região de Baden-Württemberg, o ar que respiramos está repleto de fumos e partículas e, entre as que se ficam a dever aos meios de transportes, 32% são originadas pelo desgaste dos pneus, bem com dos discos e pastilhas e travão (ou tambores e calços, se for esse o caso). Este foi o motivo que levou a Buderus Guss, empresa do universo Bosch, a desenvolver uns novos discos de travão que libertam 90% menos partículas.

Denominados iDisc, estes discos de travão são inovadores não na forma, mas na composição, ou melhor, no revestimento. Mantendo a estrutura em aço, são depois revestidos na zona de fricção por uma fina película de carboneto de tungsténio, que tem o condão de os tornar mais resistentes ao desgaste. É isto que permite que libertem para a atmosfera menos 90% de pó de travão, extremamente fino, mas não menos prejudicial para a saúde.

Além da imensa redução de libertação de poeira, os iDisc conseguem ser mais eficazes e, sobretudo, resistir melhor ao uso intensivo, revelando um comportamento similar ao dos mais sofisticados, mas onerosos, discos carbocerâmicos. E, como se isto não bastasse, as fissuras fruto do desgaste também desaparecem, graças à maior robustez da superfície, da mesma forma que a oxidação deixa de ser um problema, uma vez que o carboneto de tungsténio não deixa que a ferrugem se instale. Ainda no capítulo das vantagens, é forçoso salientar que as lavagens sistemáticas das jantes, para retirar aquele pó preto que se enfia por todo o lado, passam igualmente a ser coisa do passado.