Christine Keeler, figura central do escândalo político Profumo que em 1963 abalou a política britânica e que culminou na queda do governo de Harold Macmillan, morreu esta segunda-feira, aos 75 anos, escrevem os meios de comunicação social britânicos. “A minha mãe morreu na noite passada [segunda-feira], por volta das 23h30”, confirmou um dos filhos da ex-modelo.

Foi modelo, prostituiu-se, mas o seu nome ficaria inscrito nas páginas da história contemporânea pelo envolvimento que protagonizou com dois altos responsáveis — políticos e diplomáticos — num dos momentos mais sensíveis do último século. Keeler teve um caso com o ministro de Guerra britânico John Profumo e era, ao mesmo tempo, amante de diplomata russo em pleno período da Guerra Fria.

Quando a relação com Profumo foi descoberta, em 1963, o ministro demitiu-se. Mas esse afastamento não impediu que o Governo de Macmillan caísse com o governante. As repercussões não se ficariam por aí. Depois de mais de uma década aos comandos do país, os Tories perderam as eleições do ano seguinte para os Trabalhistas de Harold Wilson.

Escândalo Profumo. Contactos entre ex-ministro britânico e espia alemã duraram anos

O escândalo ganhou maior dimensão quando os parlamentares britânicos manifestaram preocupações com a segurança nacional. Temiam que Keeler pudesse ter acesso a informações de Estado através de Profumo para depois passá-las aos soviéticos. Num primeiro momento, o ministro garantiu à Casa do Comuns não haver qualquer teor “impróprio” no seu relacionamento com a modelo. Acabaria por admitir ter mentido, apresentando em seguida a demissão e forçando uma mexida de cadeiras no Governo britânico.

Keeler morreu no hospital universitário Princess Royal. Vítima de Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica, há vários meses que o seu estado de saúde se tinha agravado. Casou-se duas vezes, divorciou-se outras tantas e teve dois filhos, James e Seymour Platt, um de cada casamento. “Havia muita coisa boa na vida trágica de Chris, porque havia uma família à sua volta que a amav”, disse Platt, citado pelo Guardian.