Fogo de Pedrógão Grande

Marcelo passa dia 25 em Pedrógão e fim do ano em Oliveira do Hospital e Vouzela

294

O Presidente da República vai passar o Natal e o fim do ano nos locais mais afetados pelos incêndios este ano, "tal como tinha prometido".

ANDRE KOSTERS/LUSA

O Presidente da República vai passar o dia de Natal em Pedrógão Grande e nos concelhos vizinhos de Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera e o fim do ano em Oliveira do Hospital e Vouzela.

Esta informação consta de uma nota divulgada esta quinta-feira pela Presidência da República, na qual se confirma que, “tal como tinha prometido”, Marcelo Rebelo de Sousa visitará “no Natal e no Ano Novo os locais dos grandes incêndios de junho e outubro”.

Segundo esta nota, “Presidente Marcelo Rebelo de Sousa passará o dia 25 de dezembro em Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, com as famílias vítimas dos incêndios de 17 de junho” que afetaram estes concelhos do distrito de Leiria, e se espalharam ainda aos distritos de Castelo Branco e de Coimbra.

“No fim do ano, o chefe de Estado estará em alguns dos locais mais afetados pelos incêndios de 15 de outubro, nomeadamente em Oliveira do Hospital e Vouzela, concelhos em que se verificaram mais vítimas mortais”, lê-se na mesma nota.

A seguir aos incêndios de outubro na região centro do país, Marcelo Rebelo de Sousa prometeu, em conversa com um açoriano num mercado, que não iria largar as regiões afetadas pelos incêndios e referiu já ter avisado que “o Governo tem menos de dois anos para resolver o problema”.

Na altura, adiantou: “Eu agora vou lá daqui a uns dias outra vez, e depois volto lá no final de novembro. Depois, vou passar o Natal, quer em Pedrógão, quer na zona agora ardida – aí provavelmente o fim do ano. Portanto, eu não largo”.

Os grandes incêndios deste verão assolaram sobretudo a região Centro do país e provocaram a morte a pelo menos uma centena de pessoas, ferimentos em mais de 250, além destruição de habitações e extensas áreas de floresta destruída.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Impostos

Ode ao Portal das Finanças

José Miguel Pinto dos Santos

Pode ser que o Portal das Finanças tenha reduzido atritos entre cobradores e contribuintes, mas uma carga fiscal excessiva continuará sempre a gerar fuga aos impostos através de uma economia paralela

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site