Rádio Observador

IPSS

Página de Facebook da Raríssimas inundada de comentários e avaliações negativas

2.987

Na sequência das denúncias sobre a atuação da presidente da Raríssimas, o Facebook foi invadido de comentários negativos e críticas a Paula Brito Costa. Já existe a hashtag #paulabritocostanaprisao.

Facebook

Nas últimas horas, desde que foi publicada uma reportagem que mostra como Paula Brito Costa terá usado dinheiro da Raríssimas para fazer uma vida de luxo, a página de Facebook da associação sem fins lucrativos foi invadida de comentários e avaliações negativas.

A reportagem revela como a presidente terá recorrido aos fundos daquela associação — que só em 2016 recebeu quase um milhão de euros do Estado — em benefício próprio, gastando dinheiro em roupa de luxo, supermercado e cobrando as deslocações num carro topo de gama, de casa para o trabalho, diariamente. As acusações feitas contra Paula Brito Costa são corroboradas pelo testemunho de vários ex-funcionários da Raríssimas.

Na caixa de avaliações da página, onde é possível escrever comentários e atribuir entre uma e cinco estrelas (de “mau” a “excelente”), contam-se centenas de reações feitas nas últimas horas — no momento em que este artigo foi escrito registavam-se quase 500 avaliações com uma estrela (apenas 38 e 8 com cinco e quatro estrelas, respetivamente). A secção entretanto referida, que permite avaliar em página o serviço da associação, já não está disponível:

“É repugnante! É desumano! Essa “senhora” não vale um sorriso dessas crianças. (….) Espero que se faça justiça rapidamente!”, é um dos muitos comentários que se podiam ler no perfil da Raríssimas. “Após a entrevista e reportagem da TVI fiquei incrédula… (…) As pessoas com doenças raras são um grupo vulnerável e com necessidades especiais, que precisa de urgentemente de alguém que pense no seu bem-estar e não de alguém que só pense em luxos”, lia-se também.

Entre críticas cerradas à gestão danosa da Raríssimas, há vários pedidos de justiça, que o Estado “fiscalize o apoio dado a estas instituições” e de penas prisão “longas e duras”. Já existe, inclusive, a hashtag #paulabritocostanaprisao.

Apesar das reações de indignação feitas na sequência da reportagem da TVI, há quem chame a atenção para o trabalho que a associação tem feito ao longo dos anos: “É fácil fazer assassinatos de carácter com imagens descontextualizadas. A raríssimas tem uma obra notável”, escreve um dos utilizadores da rede social Facebook.

Há ainda pedidos de agradecimento aos funcionários e ex-funcionários que deram a cara para expor o alegado comportamento corrupto de Paula Brito Costa: “Aos funcionários que todos os dias dedicam horas da sua vida com as crianças, muito obrigada por existirem. Continuem o vosso trabalho com o amor.
Aos funcionários que denunciaram a situação de roubo a TODOS nós contribuintes, um obrigado pela coragem de enfrentar essa ladra e vigarista”.

Eis alguns dos comentários que se podiam encontrar na página de Facebook da Raríssimas:

  • “Tenha vergonha, essa senhora devera devolver o dinheiro que roubou. E sendo obrigada pela justiça a pagar por corrupção ao país. Devemos todos fazer queixa ao Ministério Público, direta ou indiretamente ela roubou-me.”;
  • “Pena que o trabalho feito, e algum bem feito, por esta instituição, seja agora olvidado pelo comportamento desprezível da sua dirigente. Pena que os órgãos de poder deem o seu aval a estas máfias instaladas. Ou será que não sabiam? Não acredito.”;
  • “Prepotência e arrogância sem limites. Tenho vergonha alheia da presidente da associação.”;
  • “Quantas pessoas no nosso país vivem com familiares com doenças raras e sem qualquer apoio do estado ou um apoio minúsculo porque segundo consta muitas vezes não há verbas?”;
  • “Como é possível ter a frieza de tirar dinheiro a pessoas com tantos problemas para poder alimentar os vícios da família… Essa senhora roubou as pessoas debilitadas, roubou o país e mostrou ser um pedaço de gelo”;
  • “Desprezível. Como é que alguém se aproveita da debilidade dos outros para levar uma vida faustosa.quando conhece na pele o desespero de quem vive ao lado de uma doença rara e necessita de ajuda para dar alguma qualidade de vida.”

Os comentários estão também a ser feitos em resposta a conteúdos anteriormente publicados:

O site da Raríssimas, rarissimas.pt, está de momento em baixo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)