PSD

Santana Lopes: “Se não houver debate com Rui Rio a culpa não será minha”

198

O candidato à liderança do PSD Pedro Santana Lopes diz sentir "uma onda de vitória" e promete concentrar a reta final da campanha na afirmação de uma "alternativa à frente de esquerda".

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O candidato à liderança do PSD Pedro Santana Lopes diz sentir “uma onda de vitória”, a um mês das eleições diretas, e promete concentrar a reta final da campanha na afirmação de uma “alternativa à frente de esquerda”.

Em declarações à Lusa, quando falta cerca de um mês para os militantes do PSD escolherem o seu novo presidente, a 13 de janeiro, Santana Lopes salientou que já percorreu “quase 30 mil quilómetros” desde que se apresentou como candidato aos militantes, a 22 de outubro, e faz “um balanço muito positivo”.

Tenho o apoio de mais presidentes de Câmara, de mais presidentes de distritais do partido, de muita gente da ‘jota’, da maioria dos TSD [Trabalhadores Sociais-Democratas], também da maioria dos deputados. Portanto, num mês e meio, o balanço que faço é extremamente positivo”, afirmou o antigo primeiro-ministro.

Reconhecendo que as eleições diretas têm uma componente de “voto livre” difícil de medir, Santana Lopes disse, “com humildade e sem fanfarronice”, estar convicto de que será o próximo presidente do PSD por sentir “uma onda muito viva, uma onda de vitória”.

“Estou muito confiante nos resultados do trabalho desenvolvido e no apoio de norte a sul, nas ilhas e na emigração”, afirmou, sublinhando que já fez “muitas campanhas na vida” e que sabe reconhecer essa dinâmica no terreno.

No último mês de campanha, o candidato irá concentrar-se nos concelhos e localidades com mais eleitores — depois de, num primeiro momento, a ‘volta’ se ter baseado na igualdade do território — e promete focar a sua mensagem mais no primeiro-ministro, António Costa, do que no seu adversário interno, Rui Rio.

O PPD/PSD não volta ao poder sem eleições, esta coligação está a degradar-se, o estado de graça acabou e há condições, infelizmente, para que a legislatura não chegue ao fim. O meu principal trabalho é afirmar a alternativa a esta frente de esquerda”, afirmou.

Outra das mensagens essenciais no que resta da campanha interna de Santana Lopes será a de insistir num novo papel do Estado que deve ser defendido pelo PSD, a que chama “reinventar o Estado”, até porque considera que já ninguém acredita na sua reforma.

“Pôr na ordem o Estado gastador, o Estado abusador, o Estado castigador, para o qual pagamos cada vez mais impostos diretos e indiretos e não cumpre as suas funções (…) Cada vez mais perguntamos: mas tanto impostos para onde, para quê?”, questionou.

Outra linha que considera ser distintiva da sua candidatura é a proximidade com as pessoas e os seus problemas, como no caso dos incêndios que assolaram o país.

“Tenho procurado inteirar-me das situações, visitar as zonas do país atingidas por calamidades, tragédias, ou que têm dificuldades de afirmação no todo nacional”, afirmou, destacando que esse tem sido um “ponto estratégico” das suas intervenções e propostas.

Quanto à — até agora — ausência de debates na campanha para a liderança do PSD, Santana Lopes diz lamentar “pelos portugueses e pelos militantes”, mas considera que tal não o impediu de “estar à frente” nos apoios no terreno.

“Se houver debate fico satisfeito, se não houver lamento, mas a culpa não será minha com certeza”, respondeu.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Operação Marquês

Porque é que só há uma Ana Gomes?

Rui Ramos

A sociedade portuguesa gera rotação no poder quando o dinheiro acaba, como vimos em 2002 ou em 2011. Mas já não gera alternativas, como constatámos em 2015 com o regresso dos colegas de Sócrates.

Rui Rio

Políticos à beira mar plantados

António Valle

Costa quer surgir, aos olhos dos portugueses, como o grande agregador moderado da política nacional. Rio quer parecer, aos olhos de Costa, o seu novo pequeno parceiro que apenas quer uns lugarzinhos.

PSD

O vice-primeiro-ministro Rui Rio

Luís Rosa
369

Rui Rio é mesmo o vice-primeiro-ministro ideal. É útil, diligente, prático e discreto. Em suma, Rio tem um valor político objetivamente superior a qualquer ministro e faz brilhar António Costa.

Assembleia Da República

Teoria geral do inconseguimento

Laurinda Alves

Todos sabemos que uma coisa é a lei e outra a ética. A cegueira moral pode ser legislada, mas a ética tudo vê e tudo sabe. A lei permite, mas a consciência não. Essa é a voz que nunca se cala.

Corrupção

Traição à pátria

Paulo de Almeida Sande

Quando nos perguntamos por que razão Portugal se arrasta na cauda da Europa parte da resposta é o BES, os Vistos Gold, o Face Oculta, o BPN, a PT, a operação Marquês, a Moderna, o Freeport, etc., etc.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site