É o início do regresso dos humanos ao solo lunar. O presidente dos Estados Unidos assinou a “Diretiva de Política Espacial 1”, que tem como objetivo enviar norte-americanos à Lua e ali construir a base da operação que um dia vai levar seres humanos a Marte.

Acompanhado por astronautas reformados e ao lado do vice-presidente Mark Pence, o presidente norte-americano declarou que “este é o primeiro passo para estabelecer uma base na Lua para uma eventual missão em Marte e talvez um dia a outros mundos”.

A Reuters diz que o porta-voz da Casa Branca, Hogan Gidley, afirmou em comunicado que “este documento coloca a NASA a liderar um programa de exploração espacial inovador para enviar astronautas norte-americanos de volta à Lua, e eventualmente a Marte”.

O porta-voz acrescentou que Donald Trump está a seguir as indicações do Conselho Espacial Nacional e que o presidente quer “mudar a política das viagens espaciais para humanos da nação para ajudar a América a tornar-se a força condutora na indústria espacial, ganhar novo conhecimento sobre o cosmos e impulsionar tecnologia incrível”.

O desejo de Donald Trump de regressar à Lua já era conhecido do público desde a campanha presidencial. A CNN recorda que em 2016, durante um evento perto do Centro Espacial Kennedy, na Florida, o agora presidente dos Estados Unidos declarou a intenção de “focar a NASA na exploração espacial” e acrescentou que “com a administração Trump, a Florida e a América vão liderar o caminho em direção às estrelas”.

A última vez que os norte-americanos estiveram na Lua foi em 1972, durante o programa Apolo, que colocou 12 homens no satélite do planeta Terra desde 1969.