Uma explosão foi ouvida esta manhã num terminal de autocarros em Nova Iorque, levando ao encerramento do complexo e à evacuação de três linhas do metropolitano – além dos autocarros, funciona também ali uma estação de metro. Um suspeito foi detido e está gravemente ferido, confirmou a polícia. Entretanto, o terminal de autocarros já reabriu ao público.

Os confrontos na Faixa de Gaza foram a razão do ataque, disse o suspeito às autoridades, citado pela CNN. Bill de Blasio, mayor da cidade, confirmou que se tratou de uma “tentativa de ataque terrorista” e admitiu que haverá um reforço policial ao longo do dia, ao mesmo tempo que assegurou que “não existe nesta altura qualquer ameaça credível e específica para Nova Iorque”.

De acordo com o responsável da polícia de Nova Iorque para o contraterrorismo e informações, o suspeito tinha a bomba artesanal presa ao corpo com velcro e fechos de correr.

Poderá haver ainda um segundo suspeito armado com um dispositivo explosivo a ter sido detido, mas essa informação ainda não foi confirmada pelas autoridades. Fontes da polícia norte-americana confirmaram à Associated Press que o suspeito detido tinha um aparelho explosivo preso ao corpo.

Depois de, inicialmente, a polícia de Nova Iorque ter confirmado a detenção do suspeito, garantindo que se tratava do único ferido resultante da explosão, os bombeiros de Nova Iorque confirmaram a existência de quatro feridos na sequência da explosão.

A informação relativamente à explosão foi avançada através do Twitter pela própria polícia de Nova Iorque, que disse estar a “responder a relatos de uma explosão de origem desconhecida” em Manhattan.

De acordo com o canal da ABC de Nova Iorque, o suspeito detido seria um homem natural do Bangladesh, de 27 anos, que vivia há sete anos em Brooklyn, nos Estados Unidos.

Tanto o presidente da câmara de Nova Iorque, Bill de Blasio, como o presidente dos EUA, Donald Trump, foram informados do ocorrido.

Além das três linhas que foram encerradas, todas as outras linhas de metro e comboio que passam naquela estação estão a passar sem parar no local.

No local estão presentes várias ambulâncias, muitos agentes da polícia armados e inclusivamente agentes da brigada de minas e armadilhas.

O terminal de autocarros de Port Authority é o terminal de autocarros mais movimentado dos Estados Unidos, por onde passam mais de 65 milhões de pessoas por ano.

O alegado terrorista poderia ter simpatias com o grupo radical autodesignado por Estado Islâmico, disse o governador do Estado, Andrew Cuomo. O suspeito, Akayed Ullah, residente em Nova Iorque, “estava descontente ou irritado com as nossas posições políticas ou simpatizava com o Estado Islâmico”, disse Cuomo, em declarações à estação televisiva MSNBC.

Essa informação acabou por ser reforçada com várias notícias de diversos media norte-americanos que, citados pela France Press, revelavam que o alegado terrorista terá afirmado à polícia que atuou sob influência do grupo radical Estado Islâmico e acrescentando ainda a seleção do local está relacionado com os ataques que ocorreram na Alemanha, devido ao natal.

A polícia identificou o suspeito, que foi hospitalizado, como Akayed Ullah, de 27 anos, que reside em Brooklyn e chegou aos Estados Unidos em 2011.