Ministério Público

Raríssimas. Deputado do PSD já não vai tomar posse como vice-presidente

1.720

Ricardo Baptista Leite tinha aceitado o convite e estava prestes a assumir funções. Ao Observador, diz que agora “não há condições” para integrar direção da associação Raríssimas.

O deputado do PSD Ricardo Baptista Leite já não vai assumir as funções de vice-presidente da associação Raríssimas, cargo para o qual tinha sido convidado e que se preparava para começar a desempenhar. “Não existem, naturalmente, condições e informarei o presidente da Assembleia Geral disso mesmo”, diz ao Observador.

O convite feito por Paula Brito e Costa, presidente da associação, tinha recebido resposta positiva do deputado há cerca de duas semanas. Nesse momento, diz Baptista Leite, o deputado ainda não tinha qualquer indício de eventuais irregularidades na gestão da Raríssimas — uma Instituição Particular de Solidariedade Social que apoia pessoas com doenças raras. No final da semana passada, a “preocupação” instalou-se com a reportagem da TVI em que se dá conta de que a presidente estaria a usufruir de dinheiro da instituição em benefício próprio – comprando roupas, usando carros de alta gama, entre outros gastos.

A informação caiu como uma bomba e, se num primeiro momento, o deputado do PSD não concretizou que decisão tomaria quanto ao cargo – teria de “ponderar”, disse este domingo ao Observador –, agora a posição é clara:

Não existem, naturalmente, condições e informarei o presidente da Assembleia Geral” dessa indisponibilidade para integrar a direção, diz Baptista Leite ao Observador.

Essa nota seguirá por carta, dirigida ao presidente da asssembleia-geral da Raríssimas, Paulo Pitta e Cunha. Baptista Leite diz-se “preocupado” com a forma como a instituição estava a ser gerida e, como associado, exige mais respostas. “Exijo o cabal esclarecimento de todos os factos apurados”, considera o social-democrata, defendendo uma “clara auditoria de toda a associação, por parte de uma entidade idónea, para que os doentes não sejam prejudicados”.

Quando aceitou o convite de Paula Brito e Costa, o deputado fê-lo “fruto da missão da Raríssimas, no trabalho de apoio a pessoas com doenças raras”. Foi através de um contacto da própria presidente que Baptista Leite foi “informado de que havia duas vagas na direção” e que a presidente o convidava para integrar a função de vice-presidente. “Foi dito com tanta naturalidade que nem questionei” a razão para a existência das vagas. O social-democrata deveria, na verdade, assumir as funções da anterior vice-presidente, que se demitiu este verão.

Baptista Leite fez questão de assumir a vice-presidência sem qualquer remuneração atribuída. “Acompanho o trabalho da Raríssimas há alguns anos e quis deixar isso claro desde o início”, diz ao Observador. O deputado admite que “também havia um capital de confiança nas pessoas da Raríssimas e na própria pessoa que me convidou”. Um capital que se perdeu com a reportagem da TVI e que o levou a decidir não assumir funções na direção.

Agora, “paira um manto de suspeição sobre potenciais atos ilícitos” sobre a Raríssimas e a preocupação de Baptista Leite recai sobre as “centenas de crianças que dependem do trabalho da instituição”. É expectável que, em função das notícias sobre a forma como a Raríssimas estaria a ser gerida, os contributos – fonte fundamental de financiamento da instituição – diminuam. O social-democrata espera que, “pela dimensão da missão, havendo mudanças no corpo gestor da Raríssimas, se possa recuperar a confiança perdida”. “Os profissionais que ali trabalham parecem ser pessoas claramente acima destas questões de gestão”, considera Ricardo Baptista Leite.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: prainho@observador.pt
Operação Marquês

Porque é que só há uma Ana Gomes?

Rui Ramos

A sociedade portuguesa gera rotação no poder quando o dinheiro acaba, como vimos em 2002 ou em 2011. Mas já não gera alternativas, como constatámos em 2015 com o regresso dos colegas de Sócrates.

Corrupção

Traição à pátria

Paulo de Almeida Sande

Quando nos perguntamos por que razão Portugal se arrasta na cauda da Europa parte da resposta é o BES, os Vistos Gold, o Face Oculta, o BPN, a PT, a operação Marquês, a Moderna, o Freeport, etc., etc.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site