Meteorologia

Tempestade Ana causou ondas de 14 metros

A tempestade Ana provocou ondas de 14 metros na Nazaré. A Marinha explicou que estes são valores muito acima do normal, mesmo naquela região.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

A tempestade Ana causou um agravamento do estado do mar, com ondas de 14 metros registadas na Nazaré, anunciou esta segunda-feira a Marinha, explicando que são valores muito acima do normal.

“A tempestade foi registada pela rede de boias meteo-oceanográficas da Marinha, mantidas pelo Instituto Hidrográfico. Verificou-se um agravamento do estado do mar desde as 18:00 do domingo, tendo ocorrido uma altura significativa máxima de 8,7 metros e altura máxima de 13,2 metros na boia de Leixões oceânica”, refere a Marinha, em comunicado.

Já na boia oceânica da Nazaré foram registados valores de altura significativa máxima de 7,3 metros e altura máxima de 14,1 metros.

A altura significativa é a média do terço mais elevado das alturas de onda que foram registadas durante o período de observação, enquanto a altura máxima corresponde à maior altura de onda registada durante o período de observação.

“O normal é registarem-se ondas de dois ou três metros e com mau tempo talvez cinco ou seis metros. Com a tempestade registámos médias de sete metros e picos de 14 metros”, explicou à Lusa fonte da Marinha.

Em relação ao vento, foi registada uma velocidade máxima de 89 quilómetros/hora na boia oceânica da Nazaré.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso
191

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)