Rádio Observador

Estados Unidos da América

Moore vs. Jones: o que está em jogo nas eleições no Alabama

Com a saída de Jeff Sessions para a Administração Trump, o Alabama ficou com um senador a menos. Eleições para o substituir são esta terça e opõem os controversos Moore e Jones - e Trump contra Obama.

Getty Images

Desde 1992 que o conservador e sulista Estado norte-americano do Alabama não elege um senador democrata. Um ciclo prestes a ser quebrado e que acontece hoje, nas que são já as mais mediáticas eleições do género em anos, em todo o país. Até o ex-presidente Barack Obama já se manifestou sobre o assunto, numa mensagem gravada, em que apelou ao voto no candidato democrata: “A situação é grave. Não se pode ficar em casa”, apelou.

Mas o que está realmente em causa? E por que motivos é tão importante a eleição do substituto de Jeff Sessions, agora secretário da Justiça de Donald Trump, que abandonou o cargo no início de 2017?

Em primeiro lugar, a configuração do Senado norte-americano pode mudar: antes de Sessions sair, a conta estava em 52 lugares para os republicanos e 48 para os democratas. Se o candidato republicano ganhar, fica tudo igual, se for o democrata a vencer, a vantagem do partido de Donald Trump diminui: 51 contra 49.

É o facto de o candidato republicano ser Roy Moore, um ex-juiz ultraconservador de 70 anos acusado em novembro de ter assediado sexualmente, entre 1970 e 1980, várias raparigas menores, incluindo uma de apenas 14 anos, que está a atrair tantas atenções para a votação. Moore é ainda conhecido por ser anti-imigração, anti-direitos transgénero e anti-casamentos entre pessoas do mesmo sexo. Aliás, foi por se ter recusado, em 2016, a aplicar o diploma que legalizou o matrimónio homossexual que foi exonerado do cargo de presidente do Supremo Tribunal do Alabama (pela segunda vez: em 2003 já lhe acontecera o mesmo).

Roy Moore, fotografado num evento de campanha em Midland City, no Alabama, esta segunda-feira. (Joe Raedle/Getty Images)

Do lado democrata está Doug Jones, um advogado de 63 anos que enquanto procurador do Alabama ficou conhecido por, 37 anos depois do crime, ter conseguido a condenação de dois membros do Ku Klux Klan que em 1963 incendiaram uma Igreja Batista frequentada por afro-americanos. “Doug Jones é um combatente pela igualdade e pelo progresso. O Doug vai ser o nossso campeão pela justiça. Por isso, Alabama, sai à rua e vota”, pediu Barack Obama.

As urnas estarão abertas entre as 8h00 e as 20h00 desta terça-feira em todo o Alabama. Diz a CNN, de acordo com os padrões desenhados nas eleições anteriores, 70% dos votos deverão estar contados e apurados às 23h00 (5h00 de quarta-feira em Portugal continental).

O candidato democrata escolheu Birmingham, a cidade do Alabama onde em 1963 o Ku Klux Klan ateou fogo a uma igreja, para discursar no último dia de campanha. (Justin Sullivan/Getty Images)

Até lá, as sondagens não ajudam: de acordo com a Fox News, Doug Jones vai à frente, com uma diferença de 10 pontos; segundo os números apurados pela Emerson College, de Boston, é o republicano Roy Moore quem está lançado, com 9 pontos de avanço. Outras sondagens reveladas recentemente apuraram resultados menos dilatados, mas igualmente díspares: o Washington Post deu uma vantagem de 3 pontos ao democrata; a CBS News/YouGov apurou que era o republicano quem seguia na frente, com 6 pontos de diferença; a Gravis Marketing apurou o mesmo resultado, mas pontos diferentes, 4.

Donald Trump, que quando o escândalo dos alegados abusos sexuais cometidos por Moore rebentou foi dos primeiros a dizer que o ex-juiz se devia afastar da corrida caso as acusações se confirmassem, gravou uma mensagem de apoio ao candidato durante o fim de semana passado. Primeiro acusou Doug Jones de ser “brando com o crime, fraco com a imigração” e de “apoiar o aborto”: “Ele é mau para o nosso exército e mau para os nossos veteranos. Nós não o queremos mas ele, por falar nisso, quer impostos mais elevados”. Depois, fez a apologia do candidato do seu partido: “Precisamos do Roy a votar por nós. Eu estou a acabar com a imigração ilegal e com o crime. Estamos a construir um exército mais forte e a proteger a Segunda Emenda e os nossos valores pró-vida. Mas se o Alabama eleger o liberal democrata Doug Jones todos os nossos avanços vão parar”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: tpereirinha@observador.pt
Racismo

A racialização da política é isto /premium

Rui Ramos
128

As democracias têm de tratar todos os cidadãos como iguais, com os mesmos direitos e obrigações, e ajudar os mais pobres e menos qualificados, sem fazer depender isso de "origens" ou "cores".

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)