‘Feminismo’ é a palavra do ano para dicionário Merriam-Webster. O início de 2017 ficou marcado pela marcha que moveu milhares de mulheres, em diversas cidades dos Estados Unidos, e que se espalhou mundo fora, contra Donald Trump. Foi este início que marcou o primeiro pico da pesquisa pela palavra ‘feminismo’ que foi crescendo ao longo do ano, segundo a BBC.

Milhares de mulheres marcharam em Seattle, Washington, contra a presidência de Donald Trump.

Peter Sokolowski, editor do Merriam-Webster, diz que a palavra foi uma das mais procuradas no website — a pesquisa pela definição de ‘feminismo’ aumentou 70% durante este ano.

Não foi só a marcha que marcou o início do ano que deu origem à escolha da palavra. Segundo o jornal The Washington Post, houve outros momentos específicos que marcaram os picos de busca da definição de ‘feminismo’, como por exemplo quando Kellyanne Conway, Conselheira do Presidente dos Estados Unidos, disse que era difícil considerar-se feminista.

A onda de acusações de assédio sexual, durante os últimos meses deste ano e que deu origem ao movimento #MeToo (personalidade do ano para a Time), utilizado por milhares de utilizadores, homens e mulheres, para quebrarem o silêncio e contarem que foram vítimas de assédio sexual, também contribuiu para que esta fosse a palavra do ano.

Segundo o Merriam-Webster, há ainda uma estreita ligação entre o termo e a estreia do filme Mulher-Maravilha e da série de televisão The Handmaid’s Tale.

Em 1841, o termo que era definido simplesmente como “as qualidades das fêmeas”, tem hoje um significado muito diferente, dizendo respeito à “teoria da igualdade política, económica e social entre sexos” e à “atividade organizada em prol dos direitos e interesses das mulheres”.