Duarte Lima

Filha de milionário admite que Duarte Lima tenha sido advogado “na sombra” de Rosalina Ribeiro

A filha do milionário Lúcio Tomé Feteira garante que se Duarte Lima foi advogado de Rosalina Ribeiro, teve de ser "na sombra". Olímpia Feteira falou na qualidade de assistente no julgamento.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Olímpia Feteira, filha do milionário falecido Lúcio Tomé Feteira, admitiu esta quarta-feira que o ex-deputado Duarte Lima era um advogado “na sombra” de Rosalina Ribeiro, companheira do seu pai e a quem acusa de tentar apoderar-se da sua fortuna.

Olímpia Feteira falava na qualidade de assistente no julgamento, na Instância Central Criminal de Lisboa, em que Duarte Lima, antigo líder parlamentar do PSD, está acusado do crime de abuso de confiança, nomeadamente de se ter apropriado indevidamente de cinco milhões de euros que pertenciam a Rosalina Ribeiro, de cujo homicídio está acusado no Brasil.

Questionada se tinha conhecimento de que Duarte Lima foi advogado da antiga secretária do seu pai, Olímpia Feteira respondeu que se Duarte Lima era advogado de Rosalina Ribeiro, só podia ter sido “na sombra”, pois nunca lhe passou pelas mãos qualquer documento com a assinatura do antigo deputado.

José Neto, mandatário de Duarte Lima no processo agora em julgamento, exibiu à filha do milionário uma procuração de Rosalina Ribeiro em nome de Duarte Lima e de um outro advogado, tendo Olímpia Feteira contraposto que aquela “assinatura não é a que conhece de Rosalina Ribeiro”, sugerindo que possa ter sido forjada.

Segundo Olímpia Feteira, o objetivo último de Rosalina Ribeiro seria o de substituir a “viúva do seu pai” e “ficar com a herança”, cujo valor global estimou em valor superior a 200 milhões de contos (mil milhões de euros).

A filha do milionário alegou que Rosalina Ribeiro era apenas um “affair” de Lúcio Tomé Feteira, embora tivesse pretensões de vir a ser a “Madame Feteira” e herdeira da fortuna do empresário de Vieira de Leiria.

“Queria ser a Madame Feteira e ter o estatuto que nunca teve, mas só tinha era um ‘affair’ com o meu pai”, declarou, revelando que Lúcio Tomé Feteira, apesar da idade avançada, tinha uma “vida amorosa agitada”.

A filha do milionário radicado no Brasil, descreveu ainda Rosalina Ribeiro como uma pessoa com “pouca preparação” e a quem nunca o seu pai atribuiu qualquer cargo importante nas empresas de topo que possuía.

Na audiência, Olímpia Feteira reconheceu que Valentim Rodrigues era o advogado efetivo de Rosalina Ribeiro, mas admitiu que este pudesse ter sido um mero “joguete”, obedecendo a Duarte Lima e que este último pudesse ter ajudado a companheira do pai a urdir um plano para se apoderar da fortuna.

José António Barreiros, advogado de Olímpia Feteira, exibiu em audiência uma agenda pessoal na qual Rosalina Ribeiro escreveu, com data de 1999, que ia oferecer um perfume Armani a Duarte Lima. O causídico quis demonstrar que era possível que Rosalina Ribeiro conhecesse Duarte Lima há bastante tempo e ainda antes de o milionário falecer.

Com as anotações da agenda, o advogado de Olímpia Feteira pretendeu ainda demonstrar que Rosalina Ribeiro conhecia com detalhe todas as contas (incluindo Brasil, Suíça e Estados Unidos) onde estava guardado o dinheiro do milionário falecido em 2000.

Por seu turno, João Neto confrontou Olímpia Feteira com o facto de os 5 milhões de euros que estão numa conta na Suíça serem uma parcela do dinheiro que Lúcio Tomé Feteira deixou legalmente a Rosalina Ribeiro.

O tema reveste-se de importância porque neste julgamento pretende-se apurar se aquele dinheiro serviu ou não para que Rosalina Ribeiro pagasse honorários a Duarte Lima pelos serviços prestados.

Duarte Lima foi condenado em Portugal a seis anos de prisão no ano passado pela Tribunal da Relação de Lisboa por burla qualificada e branqueamento de capitais no processo Homeland, relacionado com negócios imobiliários no âmbito do caso BPN.

O antigo deputado esgotou os recursos na Relação e no Supremo Tribunal de Justiça, tendo sido intentado um derradeiro recurso para o Tribunal Constitucional.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Duarte Lima

A impunidade e o tempo da Justiça /premium

Luís Rosa
775

Do que está à espera o PS para iniciar processo de expulsão de Armando Vara, tal como o PSD fez com Duarte Lima? Socialistas têm mais razões para agir porque Vara está preso por influenciar Governo PS

Taxas Moderadoras

Capitulação do bom senso

Diogo Prates

O outro lado da demagogia desta maioria é que enquanto acabam com taxas moderadoras nos cuidados de saúde primários, os antipsicóticos mais recentes deixaram de ter comparticipação a 100%. 

Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)