O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, pediu à Direção Nacional da PSP que avalie, até ao próximo dia 20 de dezembro, os incidentes registados nos últimos dois anos nos estabelecimentos de diversão noturna em Lisboa, refere o Diário de Notícias. A decisão foi tomada “em face dos acontecimentos recentes”, nomeadamente na discoteca Barrio Latino, onde um segurança foi morto a tiro por um cliente na sexta-feira passada, e perante a “necessidade de garantir a segurança das pessoas e a manutenção da ordem pública”, disse ao jornal fonte do Ministério.

Apesar de as ordens do ministro só dizerem respeito à área do Comando Metropolitano de Lisboa, a ideia é que a avaliação seja posteriormente alargada a outras zonas do país. O objetivo é ponderar e determinar novas medidas “que reforcem as condições de segurança de pessoas e bens”, de acordo com a mesma.

Também segundo o Diário de Notícias, Eduardo Cabrita pretende levar à Assembleia da República, logo no início do ano, um projeto de alteração à lei da segurança privada. O anteprojeto-lei deverá ficar concluído ainda esta semana. Depois disso, será enviado aos membros do Conselho de Segurança Privada, integrado pela GNR, Inspeção-Geral da Administração Interna e representantes das associações do setor, que dará o seu contributo.

A Câmara Municipal de Lisboa anunciou esta quarta-feira que mandou encerrar a discoteca Barrio Latino, em articulação com o Ministério da Administração Interna, por suspeita de tráfico de droga. Esta é o segundo espaço a fechar em Lisboa no espaço de pouco mais de um mês devido a incidentes de violência. Em novembro, Eduardo Cabrita mandou encerrar o Urban Beach, também na zona de Santos, depois de vários relatos de agressões. Até essa data, a PSP tinha registado 38 denúncias relacionadas com a discoteca desde o início do ano.