Gil Vicente

FPF quer assegurar que jogos do Gil Vicente na próxima época não contem

A FPF garante que, se o Gil Vicente descer de divisão esta época e disputar o Campeonato de Portugal em 2018/19, os seus jogos "não contarão" de forma alguma para a classificação final da competição.

M

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) pretende que os jogos do Gil Vicente na próxima época não contem, “a nenhum nível e de nenhuma forma”, para a classificação final, seja em que competição estiver.

Esta sexta-feira, em comunicado, a FPF garante que, se o Gil Vicente descer de divisão esta época e disputar o Campeonato de Portugal em 2018/19, os seus jogos “não contarão – a nenhum nível e de nenhuma forma – para a classificação final da competição”, uma vez que o clube será reintegrado administrativamente na I Liga na temporada seguinte.

Na mesma nota, o organismo máximo do futebol português “recomenda” à Liga de clubes, órgão responsável pelos campeonatos profissionais, que “inclua no seu Regulamento de Competições uma garantia similar para a época desportiva 2018/2019”, no caso de a equipa de Barcelos permanecer na II Liga.

Na terça-feira Gil Vicente e Belenenses assinaram um princípio de acordo sobre o ‘caso Mateus’, que permite aos gilistas a subida administrativa à I Liga portuguesa de futebol em 2019/20.

“O acordo foi subscrito pelos presidentes das duas sociedades desportivas, Francisco Dias da Silva e Rui Pedro Soares, respetivamente, assim como pelo presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), Pedro Proença”, lê-se na nota do organismo enviada à Lusa.

O Gil Vicente disputa atualmente a II Liga, pela terceira época consecutiva, depois de ter sido despromovido do principal escalão em 2014/15, ao qual tinha voltado em 2011/12, após a descida na ‘secretaria’ motivada pela alegada utilização irregular do futebolista angolano Mateus na época 2005/06.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Impostos

Ode ao Portal das Finanças

José Miguel Pinto dos Santos

Pode ser que o Portal das Finanças tenha reduzido atritos entre cobradores e contribuintes, mas uma carga fiscal excessiva continuará sempre a gerar fuga aos impostos através de uma economia paralela

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site