‘Oumuamua’, o estranho objeto que entrou no nosso sistema solar em outubro, não é mais do que uma pedra. Os primeiros sinais detetados pelos cientistas não mostram qualquer evidência de intervenção tecnológica.

Segundo o jornal The Guardian, foi na passada quinta-feira que os astrónomos afirmaram que as observações feitas sobre as quatro ondas de rádio levaram à conclusão de que ‘Oumuamua’ não é nada mais do que uma longa e espaçosa rocha.

É muito provável que não encontremos nada, mas vale a pena verificar constantemente os nossos ‘anzóis de pesca’. Vamos continuar a procurar sinais artificiais de ‘Oumuamua’ ou de qualquer outro objeto interestelar que seja descoberto no futuro”, declarou Avid Loeb, professor de astronomia na Universidade de Harvard.

A primeira fase de observações ocorreu entre as 08:45, hora do Reino Unido, de quarta-feira e as 02:45 de quinta-feira, abrangendo uma faixa de frequência de 1 a 12 gigahertz (GHz). Entre as frequências 1.7 e 2.6 GHz não foram encontrados quaisquer sinais, contudo, os restantes dados continuam a ser processados.

“Nós não vemos nada a ser emitido continuamente por ‘Oumuamua'”, afirmou Andrew Siemion, diretor do Centro de Pesquisa Berkeley Seti, acrescentando que estão agora a tentar novas técnicas que têm vindo a trabalhar.

Esperemos que a nossa próxima janela de observação seja agendada para sexta-feira ou sábado, quando devemos ter uma visão das fases de ‘Oumuamua’ enquanto faz a rotação”, acrescentou Siemion.

Os astrónomos suspeitaram de que o misterioso corpo fosse um asteroide interestelar, mas, devido à invulgar estrutura em forma de charuto, decidiram monitorizá-lo através do Green Bank Telescope, localizado na Virgínia, Estados Unidos. O corpo está a mover-se tão rápido que eventualmente vai deixar o sistema solar por completo.