Rádio Observador

Cuidado: está quente

Quanto é que vale um jantar no novo Book? É você quem decide

Livros, comida portuguesa, conta à discrição e um pão-de-ló de ir às lágrimas... de felicidade. O recauchutado Hotel da Estrela, em Lisboa, tem um novo restaurante, ideal para pôr as leituras em dia.

O que interessa saber

Nome: Book
Abriu em: Dezembro de 2017
Onde fica: Rua Saraiva de Carvalho, 35, Lisboa
O que é: O novo restaurante do Hotel da Estrela onde há livros em cima das mesas e uma cozinha de inspiração portuguesa.
Quem manda: Unlock Boutique Hotels
Quanto custa: Entre 20€ e 30€ por pessoa
Uma dica: Pelo sim, pelo não, leve um livro de casa. Pode encontrar uma leitura super interessante e assim tem um para a troca.
Contacto: 21 190 0100
Horário: Todos os dias, das 12h30 às 15h e das 19h30 às 22h30

A História

Poderá perguntar, e cheio de pertinência, se o Hotel da Estrela não tinha já um restaurante. Ter até tinha, mas não era este. No lugar da velha Cantina da Estrela acaba de abrir o Book, inspirado nas leituras, não de cabeceira, mas de mesa de almoço seja lá o que isso for. Não é só o restaurante que está novinho em folha, o próprio hotel, inaugurado em 2010, mudou de mãos, pretexto para fazer aquela remodelação básica, não só nos espaços comuns mas também nos 19 quartos. A gestão é agora assegurada pela Unlock Boutique Hotels que, obviamente, fez questão de manter os famosos piqueniques no jardim (é só esperar pela primavera para voltar a vê-los sair à rua). Costuma dizer-se que em equipa vencedora não se mexe. Neste caso, o plantel sofreu várias substituições, se bem que os craques (sim, já estamos a falar da carta) não foram a lado nenhum. Um dos exemplos é a parceria com a Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa, que continua a enviar os seus alunos para aprenderem no terreno.

O Espaço

A nova disposição pode muito bem trocar-lhe as voltas, sobretudo a si que já conhecia os cantos à casa. O anterior restaurante, logo atrás da receção do hotel, deu lugar ao bar, bem mais arejado e à mão de semear. É preciso descer até ao menos um para encontrar o novo Book, ele próprio também um espaço cheio de possibilidades. É lá que se serve o pequeno-almoço aos hóspedes. A vista é para o jardim e dá ares a qualquer outra paisagem que não a do centro de Lisboa. Uma das salas está preparada para se tornar independente e receber eventos privados, sem que os intervenientes tenham de respirar o mesmo ar que os restantes clientes.

Renovado, o espaço ocupado pelo Book tem vista para o jardim do Hotel da estrela © Divulgação

O espaço manteve-se simples. Sem elementos decorativos fortes, o que mais brilha é mesmo a luz do sol durante a hora de almoço. Lado a lado com os pratos e talheres, há livros em cima das mesas. Para o caso de alguém pensar que resultam de uma experiência culinária de vanguarda, avisamos já que não são para comer. Podem ser folheados, lidos se tiver muita vontade e até metidos no bolso à saída, desde que tenha levado um para a troca, claro.

Na hora de pagar, o Book volta a fugir à regra. À exceção do menu de almoço de 12€, a conta fica ao critério do cliente. Todos os pratos têm um preço mínimo e um preço máximo e o freguês, do alto da sua boa vontade ou da sua sovinice, decide quanto quer pagar, uma alternativa à gorjeta como forma de congratular um bom serviço.

A Comida

Felizmente, ninguém aqui virá pelos livros, até porque a única leitura obrigatória é mesmo o cardápio. Na base da carta está a cozinha portuguesa, com um toque de sofisticação é certo, mas sem privar os hóspedes estrangeiros de terem um cheirinho da gastronomia nacional. Diogo Conde é o chef de serviço. Já passou pelo DoLombo, pelo Hotel Quinta da Marinha e antes disso pelo Pestana Palace.

Há especialidades que transitaram do anterior menu, destaque para o polvo grelhado com batata doce (21€ a 24€) e para o bife do beijinho (15€ a 19€), que já têm a sua legião de seguidores. Das novas experiências salta à vista (e ao palato) o bacalhau escalfado em vinho do Porto com migas de grão-de-bico (15€ a 19€), a perna de pato com vinho verde tinto (15€ a 19€) e a salada da casa com queijo de cabra panado e mel (6€ a 8€).

Um dos muitos ângulos pornográficos do Melhor Pão-de-ló do Universo © Divulgação

Ainda que toda a experiência gastronómica fosse um suplício (que, atenção, não é), seria por uma boa causa, por uma causa maior chamada sobremesa. Embora o menu tenha mais opções, tudo é ofuscado pelo pão-de-ló (6€ a 8€) e pela mousse de chocolate (4,50e a 6,50€). Debruçemo-nos sobre o primeiro. Mal cozido, húmido e de um amarelo intenso e com um aspeto cremoso que, mesmo antes da primeira colherada, nos faz desconfiar que nunca comemos nada tão bom na vida. Ainda bem que o podemos levar para casa, em caixas e em muito. O produto não é feito no restaurante e dá pelo nome de O Melhor Pão-de-ló do Universo. Claramente, o nome mais indicado do mundo. E a mousse de chocolate? Ter de escolher entre um e outro corta o coração. À mousse caseira, juntaram pedaços de salame e ainda gelado de salame de chocolate da Artisani. E sim, é tão forte como soa.

Rua Saraiva de Carvalho 35, Lisboa, Portugal

“Cuidado, está quente” é uma rubrica do Observador onde se dão a conhecer novos restaurantes.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt
Pais e Filhos

Um pai do século XXI

David Gaivoto

Ao longo da minha experiência enquanto pai tenho também aprendido que por vezes são eles que nos educam, por vezes são eles que nos apelam à nossa consciência com a sua gigante e preciosa inocência

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)