O ministro do Interior alemão apelou este domingo à nomeação de um comissário contra o antissemitismo, uma semana após deslizes antissemitas e anti-israelitas em manifestações contra a decisão do presidente norte-americano de reconhecer Jerusalém como capital de Israel.

“Cada ato criminoso motivado pelo antissemitismo é um a mais e é uma vergonha para o nosso país”, declarou Thomas de Maiziere ao jornal ‘Bild am Sonntag’.

“O antissemitismo nunca deve recuperar a vantagem na Alemanha”, insistiu, lamentando um aumento no país de “declarações desagradáveis, piadas inapropriadas e comportamentos discriminatórios contra os cidadãos judeus”. O ministro condenou o facto de bandeiras israelitas terem sido queimadas durante as manifestações, considerando tratar-se de uma “destruição simbólica do direito de um país a existir”.

Segundo Maiziere, o próximo governo devia nomear um comissário contra o antissemitismo.

Os conservadores da União Democrata-Cristã (CDU) da chanceler Angela Merkel e o seu aliado bávaro a União Social-Cristã (CSU) prosseguem as negociações com os sociais-democratas para se sair do impasse político.

Na sexta-feira, o presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, declarou-se “chocado e envergonhado” com os incidentes.